-Publicidade-

Aritmética contra a histeria em torno da covid-19

"Fica complicado persistir na crença de que o Brasil é um exemplo mundial de incompetência e de descaso oficial diante da epidemia", observou J. R. Guzzo
Foto: Canva
Foto: Canva | aritmética - guzzo - covid-19
aritmética - guzzo - covid-19
Foto: Canva

(J. R. Guzzo, publicado no jornal Gazeta do Povo em 28 de janeiro de 2021)

Num mundo que tem 200 países, certamente não anima ninguém ficar entre os vinte ou trinta com o pior desempenho em alguma coisa. A questão muda de cara, porém, quando se vê quem está na lista. Se estão ali os países mais bem sucedidos do planeta, como potência econômica, competência administrativa dos governos e bem estar social, e se a maioria deles apresenta números piores que os do seu próprio país, então é preciso pensar na situação toda com um pouco mais calma.

O Brasil, segundo os dados mais recentes, está em 26º lugar entre os países com o maior número de mortes por 1 milhão de habitantes por causa da covid-19 — uma posição que oscila com frequência segundo as estatísticas diárias. Seria muito melhor, é óbvio, que estivesse entre os 26 que têm menos mortos “per capita”. Mas fica complicado persistir na crença de que o Brasil é um exemplo mundial de incompetência e de descaso oficial diante da epidemia quando sociedades muito mais bem resolvidas que a nossa estão em situação pior.

Estão à frente do Brasil, na relação de países com mais mortos por milhão, a Itália, Inglaterra, Espanha, França, Suécia, Suíça e Portugal, por exemplo — todos com números acima das mil e poucas mortes diárias que estão sendo registradas por aqui. Há menos mortos no Brasil, relativamente, que no país mais poderoso do mundo, os Estados Unidos — eles ocupam o quarto lugar da lista — e na Rússia. Na América Latina, os dois principais países, México e Argentina, estão com números piores que os brasileiros.

Nada disso é consolo algum para as famílias brasileiras que já perderam mais de 200 mil pessoas queridas em consequência covid-19. É preciso notar, igualmente, outros números: a Índia, por exemplo, tem 1 bilhão e 400 milhões de habitantes, ou sete vezes mais que o Brasil, e um pouco acima de 150.000 mortos. Além disso, a taxa brasileira já foi melhor do que é.

Mas também é fato que os Estados Unidos, e sobretudo os países da Europa que estão acima do Brasil na relação de mortos por 1 milhão de habitantes, têm a reputação de oferecerem os melhores serviços de saúde pública do mundo; são citados todos os dias como exemplos de sucesso social. Se eles têm números piores que os nossos, é preciso explicar, então, porque seus governos não estão sendo acusados de genocídio.

No ambiente de histeria que foi criado em torno da covid-19, observações como essa são classificadas automaticamente como “negacionistas” – ou, dependendo do grau de irritação de quem está ouvindo, como “bolsonarismo” explícito ou sugerido. Não é negacionismo, nem bolsonarismo – é apenas aritmética.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

9 comentários

  1. A politização em torno dessa doença fez as pessoas perderem o bom senso.É muito triste termos mais de 200.000 mortos,perdi amigos para esta doença,mas é necessário comparar com o q está acontecendo em outros países e veremos q estamos enfrentando com eficiência essa pandemia.

  2. Parabéns pela análise extremamente sóbria e imparcial.
    Lamento que ao menos um parte “da grande imprensa” não siga está linha.
    Teríamos um contra ponto.
    Forte abraço e mais uma vez parabéns…

  3. Infelizmente vivemos uma histeria coletiva onde a racionalidade foi totalmente ignorada. Fico feliz e com a esperança rejuvenescida quando leio as opiniões de jornalistas como o J.R. Guzzo, Constantino, Alexandre Garcia, etc. Enquanto essas vozes não forem caladas, haverá sempre uma luz no fim do túnel.

  4. Parabéns mestre Guzzo, é muito importante que nos transmita neste artigo, as desinformações que os grandes meios de comunicação divulgam na tentativa de derrubar o governo Bolsonaro. Entre esses meios destaco o Estadão que parece disputar com a Folha, a liderança da imprensa do ódio a Bolsonaro. Os editoriais assim como artigos de decadentes e esclerosados tucanos (já fui) infestam 98% da composição diária de seu noticiário, a exceção dos teus artigos, do professor Carlos A,Di Franco, e eventualmente do grande jurista Ives Gandra Martins. Que pluralidade de opinião necessária nos regimes democráticos é essa para um saudoso Estadão de outrora? Isso não é autoritário e antidemocrático meio de incendiar a sociedade?
    Mestre Guzzo, penso que é muito importante a boa imprensa começar a divulgar a necessária implantação do VOTO IMPRESSO, para que em 2022, nem Bolsonaro ou Lula nem Boulos ou Ciro tenham quaisquer argumentos contra as urnas eletrônicas. É a única forma de AUDITAR e RECONTAR urnas eletrônicas e evitará graves conflitos, porque calará os descontentes.

  5. Concordo com o artigo , até porque apresenta dados estatísticos reais e irrefutáveis. A discussão atual entretanto, é sobre a performance desses mesmos países na busca e compra da vacina ; na antecipação do planejamento logístico para aplicá-la ;e na condução coordenada , célere e eficaz do processo de imunização. Também não vislumbra-se nesses países – talvez com exceção aos Estados unidos- uma politização das vacinas que conseguisse atrapalhar o avanço da imunização com guerras ideológicas entre as esferas de Governos locais.

  6. Se a pandemia estivesse sendo totalmente gerenciada pelo Governo Federal, não tenho dúvidas que a nossa situação nesse quadro seria muito melhor.

  7. Outro dado muito mais significativo que esse é: a taxa de mortalidade do Covid-19 no Brasil, em 2020, ficou abaixo de 0,1% em comparação a seus habitantes. No mundo bem menos que isso. Que pandemia é essa que tem uma taxa de mortalidade tão baixa?

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês