Coronavírus: possíveis efeitos colaterais de vacinas causam preocupação no governo

Deputado Geninho Zuliani (DEM-SP) sugere criação de termo de responsabilidade para quem receber imunização
-Publicidade-
O deputado federal Geninho Zuliani (DEM-SP) em comissão da Câmara Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
O deputado federal Geninho Zuliani (DEM-SP) em comissão da Câmara Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Deputado Geninho Zuliani (DEM-SP) sugere criação de termo de responsabilidade para quem receber imunização

O deputado federal Geninho Zuliani (DEM-SP) em comissão da Câmara Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
-Publicidade-

Os cidadãos que optarem pelo uso de uma das vacinas contra o coronavírus fornecidas pelo Ministério da Saúde do Brasil podem ter que assinar um termo de adesão. A Pfizer, por exemplo, não aceita assumir a responsabilidade por efeitos colaterais que possam surgir nos próximos anos em razão de seu imunizante contra a covid-19. O governo federal também está preocupado com o tema. Por esse motivo, o deputado Geninho Zuliani (DEM-SP) sugeriu a criação de um termo de responsabilidade para os cidadãos que aceitem fazer uso de um imunizante distribuído pela União. A ideia foi apresentada depois de uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira, 15.

Zuliani é o relator da Medida Provisória que permitirá a entrada do Brasil no consórcio global para adquirir um imunizador e anunciou os motivos pelos quais deve incluir o novo conteúdo em seu relatório.

“Uma grande preocupação do presidente da República, que também é nossa, é quanto à responsabilidade civil do governo federal. O laboratório da Pfizer, no contrato que ele disponibilizou para o governo federal, tem uma cláusula que tira a responsabilidade do laboratório para eventuais efeitos colaterais no futuro. E o presidente da República quer repassar isso, de forma segura, de forma clara, de forma transparente, a todos que receberão a vacina”, disse. “O termo jurídico é consentimento informado. A pessoa sabe que tomar uma vacina em que foi feita a primeira fase dos estudos, a segunda, a terceira, mas que não foi um estudo tão aprofundado como outras vacinas que nós conhecemos na história.”

Leia mais sobre o assunto: “A verdade sobre a CoronaVac”

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comments

  1. Isso é o maior absurdo que eu ouvi ultimamente (fora as decisões do STF, naturalmente): eles ficam com o dinheiro, e nós, com as sequelas! Tudo com o nosso consentimento. É muito descaramento.

  2. O Governo Federal esta certo. Não é criatividade raivosa do presidente para amedrontar como quer fazer entender a GLOBO e outros decadentes meios de comunicação. Se houver problemas nossa “INDUSTRIA ADVOCATÍCIA” vai responsabilizar e acionar o Governo Federal.
    Esses termos, já são solicitados normalmente quando o paciente vai fazer um exame de imagem com necessidade de “contraste” e em alguns casos tem que assinar um termo que isenta a responsabilidade do Laboratório ou Hospital. Caso contrario tem que entregar na mão do STF a responsabilização por fatores adversos que possam ocorrer. Nesse caso, quero ver como o STF julgaria o STF. Lembrar que os ministros deveriam pagar do próprio bolso as indenizações, e não a UNIÃO que somos nós, contribuintes.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site