Covid-19: SP registra menos de mil internações pela 1ª vez

De acordo com o governo paulista, 982 pacientes com a doença estão internados nas UTIs do Estado
-Publicidade-
Menos de mil pacientes com covid-19 estão internados nas UTIs de São Paulo
Menos de mil pacientes com covid-19 estão internados nas UTIs de São Paulo | Foto: Divulgação/Governo de São Paulo

O Estado de São Paulo registrou pela primeira vez, desde o início da pandemia, menos de 1.000 pacientes internados com covid-19 nos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Os dados foram divulgados ontem, sábado 4, pelo governo paulista.

De acordo com os números oficiais, 982 pacientes com a doença estão internados nas UTIs do Estado. Há ainda outros 1.168 nas enfermarias, totalizando 2.150 pessoas hospitalizadas. A taxa de ocupação dos leitos de UTI em São Paulo é de 21,5%, enquanto na Grande São Paulo alcança 27%. No momento mais grave da peste chinesa, o Estado chegou a registrar mais de 31 mil pessoas internadas — metade delas em terapia intensiva.

“No pico da segunda onda da pandemia, esse número foi 15 vezes maior, o que evidencia o êxito da campanha de vacinação no combate à doença”, informou o governo paulista em nota. Naquela época, o número de hospitalizados ultrapassou a marca de 31 mil pessoas, com 15 mil delas em terapia intensiva.

-Publicidade-

Anvisa versus Doria

Na última sexta-feira, 3, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) enviou uma nota técnica à Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo recomendando a reavaliação da redução do intervalo da dose de reforço da vacina contra a covid-19 — que foi de cinco para quatro meses.

Conforme noticiou Oeste, o governo paulista considerou especialmente os três casos da variante Ômicron na capital. A administração estadual entende que, como o Brasil não obriga a apresentação do comprovante de esquema vacinal completo para viajantes, a antecipação da dose de reforço se faz necessária.

No entanto, a Anvisa informou não haver evidências de que os benefícios da antecipação superem os riscos desconhecidos de aplicação diferente do que consta na bula dos imunizantes “Alertamos que a redução generalizada do intervalo para a aplicação da dose de reforço das diferentes vacinas pode favorecer o aumento de reações adversas desconhecidas”, diz o comunicado.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.