Covid: profissionais de saúde afastados triplicam em SP

Ao todo, 1,5 mil trabalhadores da área, entre médicos, enfermeiros e agentes de saúde estão afastados por sintomas gripais
-Publicidade-
Ministério da Saúde estuda reduzir intervalo de isolamento para paciente assintomáticos
Ministério da Saúde estuda reduzir intervalo de isolamento para paciente assintomáticos | Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O número de profissionais de saúde da rede pública da cidade de São Paulo afastados depois de terem contraído covid-19 quase triplicou em um mês.

Segundo dados da prefeitura, em 9 de dezembro do ano passado, a cidade tinha 90 profissionais afastados pela doença — entre médicos, enfermeiros, agentes de saúde e auxiliares de enfermagem.

Quatro semanas depois, no dia 6 de janeiro de 2022, já eram 269 registros.

-Publicidade-

O quadro em relação aos profissionais da rede pública que foram afastados por outras síndromes gripais, como Influenza, não é muito diferente.

No mesmo período de comparação, os registros passaram de 502 para pouco mais de 1,2 mil.

“É um número alarmante. O adoecimento desses trabalhadores não é só por estarem expostos ao vírus, mas por questões de um trabalho levado ao extremo e de cargas horárias absurdas que aumentam a quantidade de contaminação”, disse a médica Vanessa Araújo e representante do Sindicato dos Médicos de São Paulo ao G1.

Brasil estuda reduzir tempo de isolamento para infectados

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou na manhã de sexta-feira 7, que o governo federal estuda a possibilidade de reduzir o tempo mínimo recomendado de isolamento para pacientes assintomáticos com covid-19 para cinco dias.

No caso daqueles que tiverem sintomas da doença, esse período pode ser reduzido de dez para sete dias.

“Estamos discutindo isso com a equipe técnica e vamos passar uma posição para vocês”, completou o ministro da Saúde.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

    1. Vacina não evita contaminação, mas reduz as chances de casos mais graves, inclusive resultantes em óbito. É assim com qualquer vacina para a gripe. O que chamou a atenção foi o aumento no número de pessoas afastadas. Certamente todos estavam vacinados. Assim como a grande maioria da população adulta no país.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.