Grupo espanhol Aena arremata Aeroporto de Congonhas por R$ 2,4 bi

Outros dois blocos também foram leiloados
-Publicidade-
Aeroporto de Congonhas
Aeroporto de Congonhas | Foto: Divulgação/Ministério da Infraestrutura

Foi realizada nesta tarde a sétima rodada do programa de concessões aeroportuárias da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e os 15 aeroportos, incluindo Congonhas, o quarto mais movimentado do país, foram leiloados em cerimônia pública realizada na B3.

Os aeroportos estavam divididos em três blocos e o primeiro, no qual estava Congonhas e outros dez terminais, foi arrematado pelo grupo espanhol Aena pelo valor de R$ 2,4 bilhões, com ágio de 231% em relação ao valor mínimo estabelecido no edital, de R$ 740 milhões. O grupo espanhol já opera seis aeroportos no Nordeste do Brasil: os terminais internacionais de Recife, Maceió, João Pessoa e Aracaju e os aeroportos de Juazeiro do Norte (Ceará) e Campina Grande (Paraíba).

Além de Congonhas, o bloco arrematado pelo grupo espanhol, inclui Campo Grande, Corumbá e Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul; Santarém, Marabá, Parauapebas e Altamira, no Pará; e Uberlândia, Uberaba e Montes Claros, em Minas Gerais.

-Publicidade-

O segundo bloco, de aviação executiva, foi arrematado pela XP, por R$ 141,4 milhões, sem ágio em relação ao lance mínimo. Dois aeroportos estão nesse bloco: o Campo de Marte, em São Paulo, e Jacarepaguá, no Rio de Janeiro.

Já o terceiro bloco foi arrematado pela Socicam e pela Dix Empreendimentos, por R$ 125 milhões, um ágio de 119,7% em relação à proposta mínima do edital, de R$ 56,9 milhões. Esse bloco também foi disputado pela Vinci Airports, que opera o Aeroporto de Salvador, e na sexta rodada de concessões, no ano passado, arrematou o bloco Norte com sete aeroportos. O bloco arrematado pela Socicam inclui os aeroportos de duas capitais do norte do país: Belém (PA) e Macapá (AP). “

O diretor-presidente da Anac, Juliano Noman, disse a privatização faz parte de um estratégia de melhorar o setor e conectar o país. “Esses valores que estão aqui hoje vão para o fundo nacional de aviação civil e voltam para o setor na forma de investimentos nos aeroportos regionais, apoiando que estão com Estados e municípios”, declarou. “É parte de uma grande estratégia do governo federal de conectar o país e investir em infraestrutura.”

Juntos, os 15 aeroportos arrematados nesta quinta somam aproximadamente 16% do total do tráfego de passageiros do país.

Segundo o ministro Marcelo Sampaio, que discursou ao final da solenidade, o montante arrecadado com o leilão corresponde a mais de um orçamento anual de todo o Ministério. Sobre o fato de apenas um concorrente ter participado do bloco de Congonhas, o ministro disse que “melhor que dois ou três concorrentes é o ágio de 231%, é ter uma concessionária que acredita no Aeroporto de Congonhas, que acredita no país”.

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.