Luciano Hang, dono da Havan, tem direito de resposta publicado no UOL

Portal de notícias teve que se retratar por fake news veiculada sobre o empresário
-Publicidade-
Determinação judicial a favor de Luciano Hang e da Havan foi emitida pela desembargadora do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, Maria do Rocio Luz Santa Ritta | Foto: Reprodução/Twitter
Determinação judicial a favor de Luciano Hang e da Havan foi emitida pela desembargadora do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, Maria do Rocio Luz Santa Ritta | Foto: Reprodução/Twitter

Com mais de 10 dias de atraso, o empresário Luciano Hang, dono da Havan — uma das principais lojas de departamento do país —, teve seu direito de resposta publicado nesta quinta-feira, 9, no portal de notícias UOL. A divulgação da nota foi determinada pela Justiça de Santa Catarina em um processo movido pelo empresário contra o veículo de comunicação, em razão de uma matéria baseada em relatórios falsos de instituições oficiais do governo.

Leia mais: “Após derrota na Justiça, Globo publica direito de resposta de Ana Paula Henkel”

Intitulada “Abin produziu relatório questionando lisura da fortuna do dono da Havan”, a reportagem afirmava que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) teria produzido documento colocando em dúvida a origem da fortuna de Hang. No mesmo dia, a instituição emitiu uma nota oficial esclarecendo não ser a autora do suposto relatório, caracterizando-o como uma gravíssima fake news.

-Publicidade-

Leia também: “Google volta a perder na Justiça, e entrevista de Luciano Hang segue no ar”

Com base em documentos reunidos pelos advogados de Hang, a desembargadora do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, Maria do Rocio Luz Santa Ritta, determinou, em 18 de agosto, a publicação do direito de resposta do empresário. Ela estipulou o prazo de 48 horas para que a sentença fosse cumprida, sob pena de multa de R$ 10 mil reais por dia.

Além do UOL, a retratação deve ser compartilhada em todos os outros veículos de comunicação que republicaram a matéria.

Confira a íntegra da resposta de Luciano Hang:

“LUCIANO HANG e HAVAN S.A., esclarecem que não existe o relatório da ABIN utilizado como suposta base para as inverdades propagadas pelo UOL, conforme nota divulgada pelo própria Agência de inteligência. Por isso, evidencia-se que todas as acusações são falsas, de modo que convém esclarecer a verdade dos fatos: Primeiramente, o Sr. Luciano jamais indicou ‘maquiar’ informações sobre o Coronavírus e apenas sugeriu um método mais transparente e preciso para a divulgação dos óbitos. Segundo, ao contrário do alegado, a Havan atua de forma lícita e de acordo com o ordenamento jurídico brasileiro. Ademais, a Havan tem sua viabilidade econômica demonstrada pela atuação sólida no mercado e tem sua viabilidade econômica demonstrada pela atuação sólida no mercado e pelos dados publicados e auditados pela Ernest & Young. O Sr. Luciano nunca foi investigado ou esteve envolvido no escândalo de precatórios, não cometeu crime de agiotagem. Ainda, o ‘café da manhã’ com empresários judaicos não foi promovido por Hang, que sequer participou do ato. No mesmo sentido, a alegação de que Hang disseminou fake news já foi objeto de ação indenizatória movida contra a Folha de S. Paulo, na qual o Judiciário já reconheceu a falsidade da matéria jornalística. Em resumo, portanto, as acusações que constaram da matéria são totalmente falsas.”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário

  1. Salve a verdade! Sempre! O poder judiciário catarinense, pela Desembargadora Maria do Rocio Luz Santa Rita, prestou a jurisdição para fazer estabelecer a dignidade de quem persegue a senda das virtudes que enobrecem aqueles que lutam pelas liberdades e pelo bem.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro