Mais de 86% do Bioma Amazônico está preservado, destaca chefe da Embrapa

Evaristo de Miranda participou da terceira edição do Webinar IGVB — Brasil 2022: 200 anos de Independência
-Publicidade-
Evaristo de Miranda é pesquisador e chefe-geral da Embrapa Territorial
Evaristo de Miranda é pesquisador e chefe-geral da Embrapa Territorial | Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

É comum ler no noticiário internacional que o desmatamento na Amazônia segue em ritmo galopante, como jamais ocorreu na história. Entretanto, essa visão está cada vez mais distante da realidade, conforme mostrou o pesquisador e chefe-geral da Embrapa Territorial, Evaristo de Miranda, durante a terceira edição do Webinar IGVB — Brasil 2022: 200 anos de Independência.

De acordo com o colunista de Oeste, mais de 86% do Bioma Amazônico está preservado, somando as vegetações nativas (84,1%) e as superfícies hídricas (2,1%). Na prática, isso significa que menos de 14% desse território pode ser explorado. “Para gerir e monitorar a região com essa eficiência, exige-se conhecimentos científicos, técnicos, humanos e econômicos”, explicou.

Foto: Divulgação
-Publicidade-

Considerando apenas as vegetações nativas, mais de 176 milhões de hectares estão protegidos, o equivalente a 42% do Bioma da Amazônia. Há 204 unidades de conservação, 330 terras indígenas e 32 áreas militares. “Não é permitido chegar nesses locais e plantar soja, cana-de-açúcar ou algo do tipo, porque essas regiões são protegidas”, salientou Miranda.

Foto: Divulgação

As reservas legais, que correspondem a cerca de 29% do Bioma Amazônico, também devem ser preservadas pelos produtores. “A Embrapa acompanha essa questão com dez metros de detalhe”, ressaltou o pesquisador. “Há dados de 700 mil produtores rurais, que fizeram o Cadastro Ambiental Rural [CAR]. As áreas estão todas mapeadas, não podem ser exploradas.”

Foto: Divulgação

Somadas as áreas protegidas (176,3 milhões de hectares) e as áreas preservadas (120,8 milhões de hectares), aproximadamente 71% do Bioma da Amazônia não pode ser mexido. “Resta o desafio de cuidar da vegetação nativa existente”, observou Miranda. “Mais de 84% do Bioma Amazônico está recoberto de vegetação nativa, sendo que 96% são florestas.”

Foto: Divulgação

Leia mais: “Cinquenta tons de verde”, artigo de Evaristo de Miranda publicado na Edição 83 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.