Na Bahia, quase 40 cidades estão debaixo d’água

Segundo o governador Rui Costa, há dezenas de casas em cidades do sul do Estado, como Ilhéus e Itabuna, totalmente submersas
-Publicidade-
Ubaitaba, na Bahia, é uma das cidades atingidas pelas fortes chuvas que vêm causando estrago no Estado
Ubaitaba, na Bahia, é uma das cidades atingidas pelas fortes chuvas que vêm causando estrago no Estado | Foto: Aleilton Oliveira/Ubaitaba.com

As fortes chuvas que causam destruição em várias regiões do Estado da Bahia já deixaram quase 40 cidades ou grande parte delas praticamente debaixo d’água. A afirmação é do governador Rui Costa (PT), que fez um balanço neste domingo, 26, sobre o drama vivenciado pelos baianos nos últimos dias.

“Nós temos 37 cidades com várias comunidades embaixo d’água”, afirmou o petista. “Nós vamos montar um centro avançado em Itapetinga, um em Conquista, um em Ipiaú e um no Vale do Jiquiriçá. As distâncias são muito grandes, são muitas cidades”, completou Rui Costa.

No sábado 25, uma força-tarefa já havia sido instalada em Ilhéus para concentrar esforços no auxílio às cidades atingidas pelas tempestades.

-Publicidade-

Segundo o governador da Bahia, há dezenas de casas em cidades do sul do Estado, como Ilhéus e Itabuna, completamente submersas. Estabelecimentos comerciais e agências bancárias amanheceram alagados neste domingo.

“As imagens são muito fortes. Infelizmente, em Itabuna e Ilhéus, uma grande quantidade de casas está completamente debaixo d’água. Itajuípe, todo centro, tudo debaixo d’água”, disse o governador.

Pelo menos nove rodovias federais que passam por cidades do sul e do sudoeste baiano foram interditadas nesta manhã, depois de alagamentos e deslizamentos de terra causados pelas chuvas durante a madrugada.

Rui Costa assinou hoje um novo decreto que inclui mais 47 cidades na lista de municípios em situação de emergência no Estado. Até ontem, 25 municípios faziam parte da lista. Com essa atualização, a Bahia passa a ter 72 cidades em situação emergencial.

Rompimento de barragem

Como noticiado por Oeste mais cedo, mais uma barragem se rompeu neste domingo, 26, ampliando o drama dos moradores do sul da Bahia. Segundo a Defesa Civil, 18 pessoas morreram.

O rompimento da barragem ocorreu na cidade de Jussiape, na Chapada da Diamantina. A prefeitura recomendou em comunicado divulgado nas redes sociais que os moradores deixem suas casas e procurem abrigo numa escola municipal.

Em todo o Estado, além dos 18 mortos, as enchentes já deixaram quase 300 feridos e ao menos 15,4 mil pessoas sem casa. A população atingida, no total, supera 400 mil pessoas.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. As chuvas depende de todo fisiologismo atmosférico, mas o Povo não depende de fisiologismo dos governos, então vamos ajudar ao sair dessa

    1. Erasmo, eu nunca ouvi dizer, nem de longe, esse tal fisiologismo atmosférico. Faça-nos a gentileza de explicar isso daí? Eu compreendo que você queria encaixar com o fisiologismo dos políticos, em particular dos petistas da Bahia. Mas aí não deu, Erasmo!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.