Na pandemia, taxa de ocupação das mulheres é a menor em 30 anos

Setores de trabalho com maior atuação feminina no Brasil foram os que mais perderam vagas de emprego durante a pandemia
-Publicidade-
Dificuldades impostas pelas medidas de isolamento agravaram um problema que já existia
Dificuldades impostas pelas medidas de isolamento agravaram um problema que já existia | Foto: Vikncent Weinbeer/Pixabay

De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o nível de mulheres que estava trabalhando ficou em 45,8% no terceiro trimestre de 2020 — esta é a menor taxa desde 1990, quando o número foi 44,2%. No mesmo período de 2019, o indicador estava em 53,3%. Os dados apresentados revelam que os setores com maior atuação feminina no Brasil foram os que mais perderam vagas de emprego durante a pandemia.

Leia também: “Dia da Mulher: governo faz homenagem à professora que deu a vida para salvar alunos de incêndio”

-Publicidade-

Dos profissionais que trabalham com alojamento e alimentação, 58,3% são mulheres e cerca de 51% das vagas desta categoria foram eliminadas. Nos serviços domésticos, a  atuação feminina chega a 85,57% e as oportunidades de emprego diminuíram 46,2%. Em educação, saúde e serviços sociais, em que 76,4% dos postos de trabalho são ocupados por mulheres, a redução foi de 33,4%.

Raquel Azevedo, sócia e líder de Diversidade & Inclusão da consultoria Falconi, afirma que as dificuldades impostas pelas medidas de isolamento agravaram um problema que já existia.

“A desigualdade já era realidade. A mulher era mãe, dona de casa, profissional e tinha que dar conta de todas as atividades. Mas, com a pandemia, a situação de muitas mulheres ficou inconciliável”, disse Raquel à Infomeny. “Como manter a produtividade no trabalho, ou mesmo manter o emprego, em meio ao isolamento social com as crianças integralmente em casa, sem a ajuda do parceiro? Historicamente, se alguém precisa abrir mão de um trabalho para se dedicar à casa, será a mulher e não o homem. Então, muitas deixaram o trabalho por não conseguir administrar tudo em meio à pandemia. O gap que já tínhamos ficou abissal”.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.