Não há desculpa para manter as escolas fechadas

É o que afirma Cláudia Costin, especialista em educação e ministra da Administração Federal no governo FHC
-Publicidade-
'Nosso foco tem de ser recuperar o tempo perdido e dar um futuro para nossas crianças', diz Cláudia Costin
'Nosso foco tem de ser recuperar o tempo perdido e dar um futuro para nossas crianças', diz Cláudia Costin | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Um levantamento realizado pela Unesco e divulgado em 24 de janeiro deste ano mostrou que, enquanto a maioria dos países fechou suas escolas por pouco mais de 20 semanas, no Brasil, as crianças e os adolescentes ficaram longe das salas de aula pelo dobro do tempo: 40 semanas. Nesse recorde, o país só se equipara a Argentina, Chile, Moçambique e Etiópia.

De acordo com o estudo, aproximadamente 800 milhões de estudantes no mundo foram afetados e as instituições de ensino passaram, em média, dois terços do ano letivo fechadas. No Brasil, quase 50 milhões de estudantes ficaram entregues à própria sorte — particularmente os 80% matriculados em escolas públicas. Destes, cerca de 25% não têm acesso à internet.

Na semana passada, o Estado de São Paulo determinou a volta às aulas presenciais. Ainda assim, nem todas as escolas reabriram 100%, bem como em outros lugares do país. Segundo Cláudia Costin, especialista em educação e ministra do governo FHC, não há desculpa para manter os colégios fechados. A seguir, os principais trechos da entrevista que ela concedeu à Revista Oeste.

-Publicidade-
Cláudia Costin
Especialista em educação, Cláudia Costin foi ministra do governo FHC | Foto: Divulgação/Banco Mundial

1 — Apesar da recomendação do Ministério da Educação (MEC) e de secretarias estaduais pela volta às aulas presenciais, ainda há resistência de pais, professores e prefeituras. Por quê?

Entre outros fatores, há políticos que usam a movimentação de alguns professores, sobretudo sindicalizados, com a finalidade de adiar ainda mais a volta às aulas. Apesar de a maioria dos educadores já estar vacinada com a segunda dose, há aqueles que defendem o retorno só no ano que vem. Não há desculpa para não reabrirmos as escolas. Ficamos tempo demais com aulas à distância. Boa parte dos municípios ofereceu o ensino remoto, entretanto, insuficiente para o aprendizado de todos. As crianças estão há quase dois anos sem aulas presenciais. Nesse período, ressurgiu o trabalho infantil. O país tem crianças de 11 a 12 anos desempenhando funções impróprias para sua idade. Muitas famílias em vulnerabilidade se sentiram tentadas a usar seus filhos como força de trabalho. Estamos mais distantes de um Brasil inclusivo.

2 — Falta coordenação entre o MEC e as secretarias de Educação?

Melhorou um pouco, mas ainda há um discurso desarmônico. Entre outros gargalos, precisamos que o Sistema Nacional de Educação, previsto na Constituição, viabilize articular as ações entre Ministério da Educação (MEC) e Estados e municípios. Ao longo da pandemia, a esfera federal teve maior protagonismo em países com sistema federativo semelhante ao nosso. Precisamos disso aqui também. Faz-se necessário que os governos se alinhem. Estamos na pior crise da educação da história do país.

3 — No ano da pandemia, 4 milhões de jovens abandonaram os estudos, segundo uma pesquisa encomendada pelo banco digital C6 Bank. O que fazer para trazer esse público para dentro da sala de aula?

Com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância, vários Estados já estão em busca dos que abandonaram a sala de aula. Há dois níveis dessa “operação”: 1) a procura por estudantes durante os primeiros meses do fechamento; 2) encontrar os que não voltaram depois da retomada das aulas em alguns Estados e municípios. Para que consigamos recuperar mais gente, é preciso que se torne obrigatória a volta às aulas presenciais no país.

“O Brasil precisa, urgentemente, de uma escola em tempo integral, direcionada às necessidades do aluno”

4 — O ensino remoto aprofundou a desigualdade social?

O ensino remoto em si, não, porque precisávamos fazer algo durante o processo de fechamento dos colégios. O problema está em manter esse formato por muito tempo. A maioria das crianças de famílias em vulnerabilidade não tem acesso a livros, a computadores e à internet. Além disso, seus pais estão trabalhando e não podem ajudá-los em todo o processo educacional, situação diferente de famílias de classe média. Ao comparar esses dois mundos, evidentemente o abismo entre eles ficou maior.

5 — Com o fim da pandemia, qual a escola que precisamos construir? 

Antes de mais nada, tirar o freio de mão e acelerar. O Brasil precisa, urgentemente, de uma escola em tempo integral, direcionada às necessidades do aluno, e não entupindo o estudante com várias matérias de que ele não conseguirá dar conta. Essa modalidade possibilita o acúmulo de aprendizagem com maior solidez. Dessa forma, conseguiremos reparar a maior parte dos danos provocados pelo fechamento prolongado das escolas. Não é à toa que Pernambuco, onde predomina o ensino integral, se saiu relativamente bem nesse período, se comparado a Estados com o mesmo nível de desenvolvimento socioeconômico. Se lá é possível, por que em outros Estados não? Nosso foco tem de ser recuperar o tempo perdido e dar um futuro para nossas crianças.

Leia também: “A geração das crianças traídas”, reportagem publicada na Edição 82 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. Então Dra. Claudia Costin, para termos escolas integrais direcionadas às necessidades dos alunos, não seria o caso das escolas militares propostas por este Governo Federal aos Estados que foram recusadas, e que com elas entendo voltaríamos a ter o ensino que as escolas publicas de ensino fundamental do passado ofereciam com qualidade de ensino superior às particulares?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.