No interior paulista, Botucatu ensina como vacinar de maneira mais rápida

Com o apoio de voluntários e estrutura locais, quase todo o público-alvo recebeu a 1ª dose da vacina em um único dia
-Publicidade-
Um mutirão com 2,5 mil voluntários que residem no município executou a tarefa
Um mutirão com 2,5 mil voluntários que residem no município executou a tarefa | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Dos 75 mil habitantes de Botucatu (SP) entre 18 e 65 anos, 72,9 mil já tomaram a primeira dose de vacina contra a covid-19. A maior parte, 66 mil, recebeu o imunizante no dia 16 de maio. Com 140 mil habitantes, a cidade é a segunda no Estado de São Paulo a participar de um projeto para promover vacinação em massa. A primeira foi Serrana, que necessitou de mais dias para concluir a aplicação de cada dose na população vacinável.

Para conseguir o feito, Botucatu não precisou comprar refrigeradores extras para armazenar vacinas nem contar com agentes de outras localidades para fazer as aplicações. Um mutirão com 2,5 mil voluntários que residem no município executou a tarefa.

-Publicidade-

Vacinação organizada por zonas eleitorais

Os dados da Justiça Eleitoral foram utilizados para organizar o processo. As 45 seções eleitorais da cidade viraram centros de vacinação, e cada pessoa foi imunizada onde vota. Aqueles que ainda não possuem título de eleitor foram direcionados para outros quatro pontos, mas não ficaram sem vacina.

A fim de evitar aglomerações, os organizadores ainda distribuíram o público em horários por faixa etária. Primeiro foram os moradores de 51 a 60 anos (8h às 10h30), seguidos de pessoas de 41 a 50 anos (10h30 às 13h), de 31 a 40 anos (13h às 15h30) e de 18 a 30 anos (15h30 às 18h).

Estudo controlado

A vacinação em massa em Botucatu faz parte de um estudo sobre o imunizante fruto da parceria entre a Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca. A data para a aplicação da segunda dose ainda não foi anunciada, mas a recomendação é que isso ocorra três meses depois da primeira injeção.

Além dos desenvolvedores e da prefeitura local, a iniciativa contou com o apoio da Fundação Oswaldo Cruz, que fabrica e distribui o imunizante no Brasil, do Ministério da Saúde, da Unesp, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu e da Fundação Bill e Melinda Gates.

Projeto S em Serrana

Em Serrana, a CoronaVac foi aplicada para analisar dados de efetividade da vacina — ou seja, avaliar o desempenho do imunizante em dada população. Conhecida como Projeto S, a iniciativa é uma parceria entre o Instituto Butantan, que envasa o imunizante no Brasil, o governo paulista e a chinesa Sinovac — farmacêutica que desenvolveu o produto.

Entre 17 de fevereiro e 11 de abril, as duas doses foram aplicadas na população. Entretanto, demorou 25 dias (até 14 de março) para os cerca de 28 mil integrantes do público-alvo receberem a primeira dose, e mais 25 dias para a segunda aplicação (iniciada em 17 de março). A cidade, com 45 mil habitantes, foi dividida em quatro regiões. Cada uma delas recebeu uma cor, e a ordem de vacinação ocorreu na seguinte sequência: Verde, Amarela, Cinza e Azul. Diferentemente do que se fez em Botucatu, as escolas foram utilizadas como centros para efetuar as aplicações.

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site