Os impactos da pandemia na formação de médicos no Brasil

A paralisação das aulas presenciais dificultou o aprendizado dos futuros profissionais da saúde 
-Publicidade-
Os estudantes passaram dois anos sem a vivência hospitalar
Os estudantes passaram dois anos sem a vivência hospitalar | Foto: Reprodução/Canva

Reportagem publicada na Edição 113 da Revista Oeste mostra a realidade da formação de milhares de estudantes de medicina que foram obrigados a acompanhar as aulas à distância por causa da pandemia de covid-19. 

O abismo social e educacional do Brasil ficou ainda mais acentuando quando as instituições de ensino fecharam as portas, em março de 2020. Para quem escolheu a área da saúde, mais ainda. Afinal, como reproduzir remotamente a vivência de um ambiente hospitalar, fundamental para a formação de médicos, enfermeiros e fisioterapeutas? Sem dúvida, a geração de estudantes que atravessou a crise sanitária ficará marcada pela adaptação do ensino médico em tempos excepcionais.

Leia um trecho

-Publicidade-

“Mas, se a pandemia foi um desafio gigante para médicos e cientistas com vasta experiência, imagina para quem estava prestes a dar os primeiros passos no árduo ofício de salvar vidas? Será possível compensar os gargalos que impactaram a formação de milhares de jovens?

‘Parou tudo e não é fácil compensar. O ensino teórico é facilmente reposto, mas aquele número de operações e procedimentos que o aluno precisa cumprir e participar no último ano é determinante. E diminuiu muito, quase não houve’, observou a médica e cientista Angelita Gama, em entrevista ao programa Direto ao Ponto, da Jovem Pan.  

Para o coordenador da comissão de ensino médico do CFM, é difícil minimizar os prejuízos. ‘A atividade de médico é artesanal, a pessoa tem de aprender aos poucos’, pondera Braga. ‘Sair do ensino teórico para a prática é muito diferente. E, depois que o aluno recebe o diploma, é impossível ter outro critério de exigência.'”

Gostou? Dê uma olhada no conteúdo abaixo.

Revista Oeste

A Edição 113 da Revista Oeste vai além do texto de Paula Real. A publicação digital conta com reportagens especiais e artigos de J.R Guzzo, Silvio Navarro, Guilherme Fiuza, Rodrigo Constantino, Ana Paula Henkel, Dagomir Marquezi, Pedro Henrique Alves, Artur Piva, Evaristo Miranda, Guilherme Lopes, Bruno Meyer, Theodore Dalrymple e Edilson Salgueiro.

Startup de jornalismo on-line, a Revista Oeste está no ar desde março de 2020. Sem aceitar anúncios de órgãos públicos, o projeto é financiado diretamente por seus assinantes. Para fazer parte da comunidade que apoia a publicação digital que defende a liberdade e o liberalismo econômico, basta clicar aqui, escolher o plano e seguir os passos indicados

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.