PF e CGU combatem irregularidades em fundo de saúde no Tocantins

Suspeita-se que R$ 6,7 milhões tenham sido desviados
-Publicidade-
Polícia Federal e Controladoria-Geral da União deflagraram a Operação Sempiternus
Polícia Federal e Controladoria-Geral da União deflagraram a Operação Sempiternus | Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) e a Controladoria-Geral da União (CGU) deflagraram nesta quarta-feira, 24, a Operação Sempiternus, com o objetivo de combater desvios de verba na gestão do Fundo de Saúde de Araguaína (TO). As irregularidades ocorriam a partir da subcontratação de empresas ligadas aos dirigentes de uma organização social (OS), as quais não prestavam os serviços contratados ou forneciam os bens e serviços adquiridos em quantidades ou formas inferiores às previstas em contrato. Segundo a CGU, a partir de outra operação, a Imhotep, de 2019, começou um trabalho de acompanhamento do contrato firmado pela Secretaria de Saúde de Araguaína (TO), a partir de dispensa de licitação, com o instituto responsável pela gestão hospitalar do município. As análises identificaram, dentre outras irregularidades, que a organização social subcontratava empresas ligadas a seus dirigentes para prestação de serviços como assessoria, consultoria, apoio à gestão, controle interno e governança corporativa, os quais, na prática, em alguns casos, não foram prestados. “A investigação apurou que, somente entre os anos de 2018 e 2020, há indícios consistentes de malversação de valores que atingem o montante de R$ 6,7 milhões”, informou a CGU. “Além disso, constatou-se que a OS também mantém contratos com o governo do Tocantins, assim como operacionaliza outras unidades de saúde em diferentes Estados, como Alagoas, Bahia e Pará”, concluiu.

Leia também: “Supremo autoriza ação da PF em inquérito contra Pazuello”

-Publicidade-

Com informações da Agência Brasil

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.