Queiroga anuncia teste para aplicação de reforço da CoronaVac

A pesquisa será feita em parceira com a Universidade de Oxford
-Publicidade-
Foto: Facebook/Instituto Butantan
Foto: Facebook/Instituto Butantan

Nesta quarta-feira, 28, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou um estudo para avaliar o uso de terceira dose em brasileiros que receberam a vacina CoronaVac. A pesquisa será feita em parceira com a Universidade de Oxford.

A aplicação do reforço para o produto desenvolvido pela farmacêutica Sinovac será testada com os imunizantes da Pfizer, Janssen e AstraZeneca/Oxford — todos previstos no plano nacional de vacinação contra a covid-19.

Leia também: “Uruguai confirma terceira dose da Pfizer para quem tomou CoronaVac”

-Publicidade-

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

8 comentários

  1. Só tomei as 2 doses da droga em respeito à sociedade.
    Que venha algo americano eu agradeço, se for líquido eu tomo, se for pó eu cheiro.

  2. Não foi apenas um Golpe do Vigário. Muitas vidas foram perdidas e todo mundo sabe quem são os culpados, mas, na atual ditadura de esquerda, não há como responsabilizá-los. Ficarão impunes. Pior que isso! Punirão quem tentou, realmente, salvar vidas.

  3. Na minha família:
    um cunhado ficou um mês internado em UTI após uma dose da Coronavac, e perdeu a visão num dos olhos – Particular;
    um cunhado ficou dois mêses internado em UTI após uma dose da Coronavac – Particular;
    um cunhado faleceu de COVID – era diabetico – SUS;
    minha sogra faleceu de COVID após duas doses da Coronavac – SUS;
    um tio faleceu de COVID antes do início da vacinação – SUS;
    duas primas faleceram de COVID antes do início da vacinação – Particular.

    Nenhum deles recebeu tratamento precoce, que foi banido no SUS e perseguido na rede Particular. Demonizado até hoje.
    Não esqueceremos.

  4. O blog antagonista diz que o Bolsonaro é responsável pelo assassinato de mais de 500 mil mortes pelo coronavirus chinês. Os mais de 600 mil dos EUA pelo Trump e os mais de 140 mil do Reino Unido pelo Boris Johnson. Mas os 110 mil da França o assassino é o coronavirus.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro