-Publicidade-

Queiroga promete entregar 11 milhões de vacinas na próxima semana

Ministro da Saúde pretende acelerar o ritmo de vacinação no Brasil
Marcelo Queiroga assumiu o posto outrora ocupado por Eduardo Pazuello
Marcelo Queiroga assumiu o posto outrora ocupado por Eduardo Pazuello | Foto: Cláudio Marques/Futura Press/Estadão Conteúdo

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, informou ontem, sábado 27, que o governo federal distribuirá 11 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 na próxima semana. Segundo o ministro, as doses dos imunizantes da AstraZeneca e CoronaVac estão no país e serão enviadas aos Estados. Queiroga não detalhou, no entanto, quantas doses cada unidade da federação receberá. “Esta semana [temos] 11 milhões de vacinas. Elas já chegaram e serão distribuídas aos Estados segundo os critérios do Plano Nacional de Imunização”, explicou. O novo chefe da Saúde assumiu oficialmente o cargo na terça-feira 23 com o discurso de acelerar o ritmo da vacinação no país.

Leia também: “PF mira grupo suspeito de fraude em oferta de vacinas à Saúde”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

  1. Afinal, São Paulo não segue o PNI?. Antecipa vacinação a idosos, prioriza professores e policiais e ainda arruma tempo para lançar vacina “brasileira” que ainda não existe, ou melhor, apenas a embalagem. Não cabe ao MPF e ao Ministério da Saúde reprimir exageros políticos e eventuais vantagens do estado de São Paulo, sobre os demais estados brasileiros? Já estou preocupado para onde seguirão as (queridinhas das celebridades de 1a. classe) vacinas da Pfizer adquiridas pelo governo federal quando chegarem. Tem que colocar a PF para entregar proporcionalmente às populações projetadas no PNI. Instituições privadas deveriam comprar a “queridinha” e se responsabilizarem por efeitos adversos e não o governo federal (nós contribuintes).

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.