São Paulo quer ‘pena de internação’ para usuários da cracolândia

Essa é só uma das ações anunciadas para tentar resolver o problema, que se arrasta há 30 anos
-Publicidade-
O governador Tarcísio de Freitas, o vice Felício Ramuth e o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes
O governador Tarcísio de Freitas, o vice Felício Ramuth e o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes | Foto: Divulgação

O governo de São Paulo apresentou nesta terça-feira, 24, um plano para tratar e monitorar os usuários de drogas da cracolândia, na região central da capital paulista. O governador Tarcísio de Freitas e o prefeito Ricardo Nunes discutiram o projeto no Palácio dos Bandeirantes com integrantes do Tribunal de Justiça e da Defensoria Pública.

Segundo o governador, a solução não é simples, mas, ao longo do tempo, talvez o problema “tivesse sido abordado da forma errada” por outras gestões. “A cracolândia não é só questão de polícia, é uma questão de todas as áreas, de todas as políticas juntas”, disse Tarcísio.

De acordo com o governo, atualmente mais de 60% dos dependentes que frequentam a cracolândia respondem criminalmente e têm o benefício da progressão de pena. Uma das estratégias é aplicar a substituição do regime para usuários já condenados por internação fechada para tratamento. “Quando esse usuário é preso, ele perde o benefício. O que vamos tentar fazer é, ao invés de voltar ao presídio, a gente vai oferecer o tratamento fechado, como se estivesse numa internação”, anunciou Tarcísio.

-Publicidade-

A internação compulsória também foi discutida pelos gestores. O tratamento será utilizado em último caso para pessoas em situações extremas. “A internação compulsória dá muito questionamento, inclusive judicial, por isso que é a última opção, mas ela não pode ser descartada”, disse. Pelo menos 40% dos usuários que frequentam a cracolândia estão no local há dez anos.

“Não é possível que a gente não vá vencer isso”, destacou o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, durante anuncio de ações para a cracolândia.

As ações na nova gestão

O projeto é coordenado pelo vice-governador do Estado, Felício Ramuth, e prevê uma atuação conjunta com a prefeitura de São Paulo para resolver o problema, que se arrasta há 30 anos.

O governo vai adotar quatro diretrizes para que as ações prevaleçam na cracolândia. A primeira delas é a abordagem qualificada — 200 profissionais com experiência em dependência química farão o contato com os usuários.

Na segunda etapa, as pessoas identificadas serão encaminhadas para um espaço adequado para receber e acolher os usuários, onde serão ofertados os tratamentos por meio dos serviços de atendimento à saúde.

A jornada de cuidados dos pacientes — terceira diretriz — será integrada entre Estado e município. Por fim, será feito o recadastramento das pessoas submetidas ao tratamento da população em vulnerabilidade para oferta de benefícios, como moradia popular e aluguel social.

Ao todo, o governo pretende ofertar mil leitos de internação e de desintoxicação neste momento. Também haverá investimento de R$ 120 milhões na área de habitação para a construção de moradias. Será “para pessoas que já se estabilizaram, passaram por várias etapas e já têm condições de caminhar com as próprias pernas. É um investimento bastante significativo”, informou o governador.

“Queremos resolver isso neste mandato”, afirmou Tarcísio de Freitas.

A polícia vai atuar na região em uma integração entre os militares, a Polícia Civil e a Guarda Municipal. Os agentes farão o uso de câmeras inteligentes, identificação de usuários e atividade delegada — com uso de policiais militares no horário de folga na região central, com cerca de 500 policiais.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. Depois da aceitação de deputados pelo prisão de parlamentar que se manifesta, de jornalistas impedidos de trabalhar e do campo de concentração de idosos e crianças apenas por se manifestar, ninguém pode reclamar se fizerem um campo de concentração de drogados.

  2. Os desgovernos boliviano, venezuelano e outros querem aumentar o volume de vendas de narcóticos serão contra , e acionarão o amigo sapo barbudo.
    Temos ministros do stf que querem a liberalização de droga…

  3. Não se iludam! E PREPAREM-SE com os serviços de informações da P2
    A esquerdalha vai financiar vandalismo dos noias no centro de SAMPA..será que vão deixar?!?
    Xandão!?
    Querem derrubar o Tarcísio…tem que jogar TODO o peso do Estado de SP para enfrentar esses marginais ….nem que precise fazer um novo 1932.
    SAMPA não aguenta mais viver na sujeira vandalismo sistemático e roubos praticados pões esses NÓIAS…absolutamente todos com passagens pela polícia…
    Então prepare-se para o corrupto Boulos, Padre Lancelot Sônia Francine, erundina e toda sorte de vagabundagem da esquerdalha na missão de derrubar Tarcísio e esse prefeito de SP
    SEM ANISTIA e usem a mesma truculência “jurídica” que usaram contra idosos crianças índios e mulheres da direita…SEM ANISTIA

    E COVARDES das Forças Armadas…. Deixem de serem COVARDES e prendam esses comandantes generais vendilhão e carreiristas..
    PRENDAMOS Os 5-6… são traidores do Brasil é da democracia real e não essa “democracia do stf golpista”

  4. Certamente algum partido de esquerda vai entrar no supremo questionando e o governador vai ser impedido de por em prática essa política de combate a Cracolândia. Alguém tem dúvida?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.