Revista Oeste - Eleições 2022

SP: atendimentos por sintomas respiratórios aumentam 47,5%

O secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, negou que os casos estejam ligados à covid-19
-Publicidade-
Os números foram analisados com base em dados do censo hospitalar organizado pela Fundação Seade
Os números foram analisados com base em dados do censo hospitalar organizado pela Fundação Seade | Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

A cidade de São Paulo registrou aumento nos atendimentos por sintomas respiratórios na última semana.

Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, foi computada 1,1 mil internações, um crescimento de 47,5% em relação aos sete dias anteriores (quando houve quase 800 novos pacientes).

Os números foram analisados com base em dados do censo hospitalar organizado pela Fundação Seade.

-Publicidade-

Para o professor da Universidade Estadual Paulista Roberto Kraenkel, essa subida de casos de sintomas respiratórios se explica pela presença de um novo agente infeccioso.

Para ele, pode ser a a presença da variante Ômicron do coronavírus ou o vírus influenza H3N2, que tem provocado epidemia de gripe em vários Estados brasileiros.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, negou haver sinais de disparada de internações na rede municipal. Ele reconhece, porém, a alta de atendimentos por síndrome gripal.

Além disso, de acordo com ele, a capital tem no momento apenas um hospital referenciado para tratamento de covid-19.

Atualmente, a cidade tem 32% de ocupação de leitos de UTI e 41% de enfermaria. No total, há 963 vagas de internação para o tratamento de covid na capital paulista.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. Papo furado! É covid na veia, mas não pode admitir porque exporia a ineficácia das vacinas. Daí porque agora resolveram atribuir ao influenza. Engraçado que em 2020 não teve influenza.kkkk conta outra

  2. Essa coisa vai acabar nunca. Tem as variantes (quando acabar o alfabeto grego vão usar qual? O alfabeto maia ou os hieróglifos?) do Covid e agora essa influenza! Sem falar no fungo negro. Só falta a epidemia de cobreiro e espinhela caída. As “otoridades” criaram o pânico e agora não sabem o que fazer. Só mentiras e embromação!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.