-Publicidade-

Bolsonaro ‘baterá o martelo’ sobre Renda Brasil na sexta-feira

Informação é do ministro Rogério Marinho, que também afirmou que auxílio emergencial deverá ser mantido com valores menores até dezembro.
O ministro Rogério Marinho e o presidente Jair Bolsonaro | Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
O ministro Rogério Marinho e o presidente Jair Bolsonaro | Foto: Valter Campanato/Agência Brasil | renda brasil, rogério marinho, jair bolsonaro, paulo guedes, auxílio emergencial, coronavoucher, teto de gastos, responsabilidade fiscal, pró-brasil

Informação é do ministro Rogério Marinho, que também afirmou que auxílio emergencial deverá ser mantido com valores menores até dezembro

renda brasil, rogério marinho, jair bolsonaro, paulo guedes, auxílio emergencial, coronavoucher, teto de gastos, responsabilidade fiscal, pró-brasil
O ministro Rogério Marinho e o presidente Jair Bolsonaro
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Em entrevista à Rádio Bandeirantes nesta quarta-feira, 26, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, disse que o presidente Jair Bolsonaro só deve bater o martelo sobre o programa Renda Brasil na próxima sexta-feira, 28.

“Teremos uma reunião na sexta-feira pela manhã com os técnicos de cada ministério e no final da tarde, com o presidente da República, teremos a oportunidade de definir qual a política que será apresentada ao Congresso”, afirmou Marinho.

Ele também afirmou que o auxílio emergencial — popularmente conhecido como “coronavoucher” — deve ser mantido pelo governo até dezembro, mas com valores menores.

O Renda Brasil deverá ser implementado a partir de janeiro, mas o ministro não informou as fontes de recursos para o novo programa.

Marinho teve uma reunião nesta quarta-feira com o presidente e o ministro da Economia, Paulo Guedes, que vem se mostrando preocupado em encontrar maneiras de financiar os programas sociais do governo. Não apenas o Renda Brasil mas todos os projetos relacionados ao Pró-Brasil, sem furar o teto de gastos nem comprometer a responsabilidade fiscal.

Por isso mesmo, Guedes tem defendido a reforma tributária e as privatizações, uma agenda mais liberal que gere recursos à União e permita um desenvolvimento mais sustentável ao país.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês