Com avanço do agro, bolsa ganha mais empresas de fora do eixo Rio-SP

Das quase 500 empresas com ações listadas na B3, cerca de 300 têm sede no Estado de São Paulo
-Publicidade-
Sede da B3 em São Paulo | Foto: Divulgação
Sede da B3 em São Paulo | Foto: Divulgação

A B3, a Bolsa de Valores de São Paulo, tem passado por uma mudança sutil no perfil de empresas listadas em seu portfólio. A cada dia, a bolsa brasileira começa a ter mais representantes de fora do eixo Rio–São Paulo. A Boa Safra, maior produtora de sementes de soja no Brasil, abriu o capital neste ano e é um exemplo dessa realidade.

Para ter uma ideia da concentração que ainda existe, a Boa Safra é apenas a terceira companhia de Goiás listada na B3. A segunda, a produtora de soja Jalles Machado, havia chegado meses antes.

Leia mais: “Escassez de semicondutores atrapalha planos da Chevrolet no Brasil”

-Publicidade-

Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo afirma que essas novas empresas, antes desconhecidas do centro financeiro paulista, sentiam uma barreira na hora de acessar o mercado de capitais. E não é por menos: das quase 500 empresas com ações listadas na B3, cerca de 300 têm sede no Estado de São Paulo.

O que chama também a atenção é que oito Estados brasileiros não têm representantes, um reflexo da estrutural concentração da economia nacional no eixo Rio–SP. Olhando adiante, a lista de empresas de outros Estados continua crescendo, impulsionada pelos recentes casos de sucesso.

Telegram
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro