Justiça adia recuperação judicial da Oi para 2022

Juiz disse se tratar do maior e mais complexo processo de recuperação judicial de 'nossa história'
-Publicidade-
Processo de recuperação judicial da Oi foi iniciado em junho de 2016 | Foto: Mídias sociais
Processo de recuperação judicial da Oi foi iniciado em junho de 2016 | Foto: Mídias sociais

A recuperação judicial da Oi foi prorrogada para 31 de março do ano que vem. A decisão foi tomada no início do mês pelo juiz da 7ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Fernando Viana. Em sua deliberação, o magistrado levou em conta que o processo de venda de ativos, especialmente a Oi Móvel para a Claro, TIM e Vivo, ainda precisa de validação da Agência Nacional de Telecomunicações. Defendendo seu parecer, Viana disse se tratar do “maior processo de recuperação de nossa história, por sua singularidade, especificidade, complexidade e importância”.

Leia mais: “Latam busca prazo maior para apresentar plano de recuperação judicial”

Com dívidas superiores a R$ 65 bilhões, a operadora entrou em processo de recuperação judicial em junho de 2016. Desde então, a empresa já aprovou algumas ações, como um novo plano de negócios, que prevê a venda das operações móvel e de banda larga fixa, e renegociou prazos para pagamento de credores em até 20 anos.

-Publicidade-

Leia também: “Anatel adia votação do edital de leilão do 5G”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.