‘Matriz energética brasileira é a mais limpa do mundo’, afirma presidente da CNI

Indústria debate propostas para a COP27
-Publicidade-
Robson Braga de Andrade, presidente da CNI, em palestra sobre economia verde
Robson Braga de Andrade, presidente da CNI, em palestra sobre economia verde | Foto: Divulgação

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) deu início, nesta terça-feira, 16, a uma série de palestras sobre a transição para a economia verde no Brasil. Durante a abertura, Robson Braga de Andrade, presidente da instituição, disse que o Brasil tem uma das matrizes energéticas mais limpas no planeta. O evento vai até a quarta-feira 17.

“Atualmente, as fontes renováveis têm uma participação de quase 50% na matriz energética brasileira, que é uma das mais limpas do mundo”, disse o presidente da CNI durante a abertura do evento.

“O Brasil também foi pioneiro na produção e no uso de biocombustíveis. Além disso, temos a mais rica biodiversidade e a maior floresta tropical do planeta. Com essas características admiráveis, reunimos condições para atrair recursos do financiamento climático, que seriam importantes para consolidar nossa trajetória rumo a uma economia verde”, acrescentou o presidente da CNI.

-Publicidade-

Joaquim Leite, ministro do Meio Ambiente, também participou da abertura. Ele destacou que o Brasil tem cerca de 21 gigawatts de capacidade instalada para geração de energia eólica. Ou seja: 50% mais que a capacidade de usina hidrelétrica de Itaipu.

Além disso, Leite falou do potencial para a produção de energia eólica em alto-mar, por meio de geradores offshore: 700 gigawatts. Desse modo, 50 vezes mais que Itaipu. A região mais beneficiada seria a Nordeste, que poderia passar por um processo de industrialização.

A proposta do evento é promover o debate de propostas para a Conferência das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP27), marcada para ocorrer no mês de novembro, no Egito.

Na cerimônia de abertura de hoje também estavam presentes o embaixador-chefe da Delegação da União Europeia no Brasil, Ignacio Ybáñez; o presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Carlos Melles; e da deputada federal Carla Zambelli (PL-SP). Por videoconferência, também participou o embaixador do Egito no Brasil, Wael Aboulmagd.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. As ações brasileiras precisam de marketing promocional e comparativo com o que é utilizado mundialmente, principalmente por países que criticam abertamente a atuação brasileira.

  2. É preciso engrossar o tom do discurso na defesa das ações brasileiras em prol do meio ambiente.
    Narrativas ideologizadas sobre o meio ambiente são armas de pressão e coação.
    Para ser levada a sério, a discussão sobre o meio ambiente tem que sair do discurso ideológico.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.