Paulo Guedes: ‘Queremos implementar o auxílio emergencial o mais rápido possível’

Segundo o ministro da Economia, é necessário que os congressistas votem uma Proposta de Emenda à Constituição para liberar os pagamentos
-Publicidade-
O ministro da Economia, Paulo Guedes. Foto: MARCOS CORRÊA/FLICKR
O ministro da Economia, Paulo Guedes. Foto: MARCOS CORRÊA/FLICKR

Segundo o ministro da Economia, é necessário que os congressistas votem uma Proposta de Emenda à Constituição para liberar os pagamentos

Coronavírus Paulo Guedes
“Peço que haja um pouco de compreensão”, pediu o ministro. Foto: MARCOS CORRÊA/FLICKR
-Publicidade-

O ministro da Economia, Paulo Guedes, garantiu ontem numa entrevista coletiva que a intenção do governo federal é liberar o auxílio de R$ 600 (R$ 1.200 para mulheres chefes de família) o quanto antes. A medida já foi aprovada no Congresso Nacional.

Contudo, segundo ele, é necessário que os deputados e os senadores votem uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para destravar os pagamentos. “Estamos com um problema técnico e o presidente Rodrigo Maia pode nos ajudar muito”, afirmou Guedes.

A fala do ministro se refere à aprovação da chamada PEC de Guerra (que vai liberar o governo de seguir algumas regras fiscais), e é também uma resposta a alfinetadas de congressistas que criticaram a suposta lentidão do governo federal para fazer o dinheiro chegar às mãos dos que precisam.

Guedes salientou que, no momento, não há fonte no Orçamento para bancar a despesa bilionária, um pré-requisito na hora de prever determinado gasto. Sem isso, os técnicos da Economia temem assinar os pareceres da despesa e, depois, serem responsabilizados por qualquer eventual irregularidade.

“Peço que haja um pouco de compreensão. Não é trivial colocar dinheiro na mão de 38 milhões de trabalhadores informais. Não é momento para explorarmos deficiências eventuais. Estamos precisando do apoio do Congresso Nacional”, concluiu o ministro.

Saiba mais

O auxílio emergencial de R$ 600 aos trabalhadores informais é mais uma ação do governo federal para combater os impactos negativos provocados pela pandemia de coronavírus na economia brasileira. A medida é de caráter temporário e visa dar fôlego ao cidadão que ainda não tem carteira assinada.

Segundo o mais recente levantando do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o Brasil tem 38 milhões de trabalhadores informais. A intenção do governo, portanto, é subsidiá-los para que não caiam no total desemprego.

Não só, pretende-se também manter funcionando a economia. A compra de produtos essenciais às famílias também ajuda o pequeno e o médio empreendedor, que tem um mercado, uma padaria, açougue, entre outros.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 comentários

  1. Rodrigo Maia está condicionando a aprovação da PEC pela prerrogativa do Parlamento vetar medidas do comite de operações da crise. É um ser abjeto esse camarada.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site