Preços da energia e dos alimentos impulsionam inflação na Espanha

A taxa anual chegou a quase 11% em julho, maior valor desde 1984
-Publicidade-
O presidente socialista da Espanha, Pedro Sánchez
O presidente socialista da Espanha, Pedro Sánchez | Foto: Reprodução/Redes sociais

A inflação na Espanha, acumulada nos últimos 12 meses, chegou a quase 11% em julho, segundo os dados apurados pelo Instituto Espanhol de Estatística (INE). É o valor mais alto desde setembro de 1984.

A aceleração de 0,6% no índice (em relação a junho) foi em decorrência dos custos mais altos da eletricidade (41%) e de aumentos significativos nos preços do leite, produtos lácteos, carnes, ovos, pães e cereais.

As estatísticas mostram elevações contínuas nos preços desde o início de 2021. O governo socialista espanhol tem tentado combater os aumentos reduzindo impostos sobre as contas de energia e limitando os efeitos dos preços do gás sobre o custo da eletricidade, além de financiar uma redução de 20 centavos de euro por litro de gasolina.

-Publicidade-

No entanto, a seca que atinge a Europa provavelmente afetará os produtos agrícolas, o que deve elevar ainda mais os preços dos alimentos nos próximos meses.

Segundo os analistas, o Banco Central Europeu (BCE) respondeu à inflação de forma extremamente tardia, em comparação com outras economias. A taxa de política monetária de curto prazo subiu para 0,5% ao ano, após ter permanecido em 0% desde 2016.

Presidente pede abolição das gravatas para economizar energia

presidente da Espanha, o socialista Pedro Sánchez, fez um pedido inusitado aos espanhóis no começo de agosto. Preocupado com o consumo de energia no país, ele pediu que as pessoas evitem o uso de gravatas no trabalho.

Durante um evento para fazer um balanço do governo, ele encerrou o discurso dizendo: “Gostaria que vissem que não estou de gravata; isso significa que todos nós também podemos poupar do ponto de vista energético e pedi aos ministros, a todos os funcionários públicos e ao setor privado, se ainda não o fizeram, que, quando não for necessário, não usem gravata, porque dessa forma estaremos também poupando energia, que é tão necessária no nosso país.”

Segundo Sánchez, dessa forma as pessoas usariam menos o ar-condicionado, já que sem a gravata seria possível sentir menos calor.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

6 comentários Ver comentários

  1. Acho bem interessante este pessoal das zuropas. Eles entendem que são os donos do planeta. O planeta precisa trabalhar para eles. Que os africanos, Américo latinos, etc devem a eles nossas vidas. A descoberta que tiveram, as invenções, etc. Aí, quando a situação aperta, não tem girafa na Amazônia, que la o fogo que esta acabando com tudo é o fogo do bem. Aqui somos destruidores de florestas. Lá existe cons-ciência até para não trabalhar de gravata. Aqui bichos do Mato, índios etc. Está história vai mudando o seu curso e rápido.

  2. A Europa é um gigante com pés de barro, que terceirizou sua produção industrial para a China e sua produção de alimentos para os E.U.A. e Canadá. Deveria reaprender a trabalhar e produzir, ao invés de sediar apenas escritórios e bancos, nem que para isso seja necessário dar boas vindas à mão-de-obra dos imigrantes que tanto desprezam.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.