-Publicidade-

Três principais aéreas brasileiras têm pior resultado trimestral da História

Azul, Gol e Latam tiveram prejuízos de R$ 6,2 bilhões no segundo trimestre deste ano, segundo a Anac.
Três principais companhias aéreas brasileiras tiveram prejuízo de R$ 6,2 bilhões no segundo trimestre deste ano | Foto: Oliver Holzbauer/Flickr
Três principais companhias aéreas brasileiras tiveram prejuízo de R$ 6,2 bilhões no segundo trimestre deste ano | Foto: Oliver Holzbauer/Flickr | companhias aéreas, prejuízo, anac, coronavírus, transporte aéreo

Azul, Gol e Latam tiveram prejuízos de R$ 6,2 bilhões no segundo trimestre deste ano, segundo a Anac

companhias aéreas, prejuízo, anac, coronavírus, transporte aéreo
Três principais companhias aéreas brasileiras tiveram prejuízo de R$ 6,2 bilhões no segundo trimestre deste ano | Foto: Oliver Holzbauer/Flickr

As três principais companhias aéreas brasileiras tiveram o pior resultado trimestral de suas histórias no segundo semestre deste ano.

Somadas, Azul, Gol e Latam amargaram um prejuízo de R$ 6,2 bilhões, queda de 399,6% quando comparado com o lucro líquido do mesmo período do ano passado.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

No primeiro semestre do ano, as três empresas acumularam prejuízo líquido de R$ 15,7 bilhões, o que equivale a uma margem líquida negativa de 129,6% frente ao prejuízo líquido de R$ 107,2 milhões registrados no mesmo período de 2019.

O principal motivo para as perdas tão acentuadas foi a pandemia de coronavírus. Enquanto a demanda por transporte aéreo teve queda de 90%, a oferta por ele diminuiu 88% e a quantidade de passageiros pagos transportados foi reduzida em 91%.

Com isso, a composição das receitas das empresas também se modificou.

A venda de passagens aéreas, que antes era responsável por 86,3% delas no segundo semestre do ano passado, passou a render apenas 51,8% no mesmo período deste ano.

Já os ganhos com cargas e mala postal, mesmo com uma queda de 33,3%, saltou dentro das receitas de 4,7% no segundo semestre de 2019 para 27% no período de 2020.

Combustível e pessoal tiveram suas representatividades reduzidas nos custos operacionais das companhias. No segundo semestre de 2020, representaram 5,4% e 6,7% respectivamente nos gastos das empresas. Em 2019, representavam 29,6% e 16,1%, no mesmo período.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês