-Publicidade-

STF forma maioria para manter obrigatoriedade do uso de máscara

A ação derruba o veto imposto pelo presidente Jair Bolsonaro que tornava opcional o uso do item
Os brasileiros terão de se habituar com o uso de máscaras
Os brasileiros terão de se habituar com o uso de máscaras | Foto: Guilherme Gandolfi/Divulgação

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou nesta sexta-feira, 12, maioria de votos a favor de manter a obrigatoriedade do uso de máscaras para proteção contra a covid-19 em áreas públicas do país. A ação, que tem como relator o ministro Gilmar Mendes, derruba um veto feito pelo presidente Jair Bolsonaro ainda em agosto no qual ele tornava opcional o uso da proteção em “estabelecimentos comerciais e industriais, templos religiosos, estabelecimentos de ensino e demais locais fechados em que haja reunião de pessoas”. No documento, o ministro aponta a necessidade da “obrigatoriedade de uso de máscara de proteção individual para circulação em todos os espaços privados acessíveis ao público, especialmente estabelecimentos comerciais, industriais e de ensino, templos religiosos e demais locais fechados”. Até o momento, acompanharam o voto do relator Gilmar Mendes os ministros Alexandre de Moraes, Marco Aurélio Mello, Cármen Lúcia, Rosa Weber, Dias Toffoli e Luiz Edson Fachin.

Leia também: “O astro do faroeste à brasileira”, artigo de Augusto Nunes publicado na Edição 47 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 comentários

  1. “Em minha parede há uma escultura de madeira japonesa
    Máscara de um demónio mau, coberta de esmalte dourado.
    Compreensivo observo
    As veias dilatadas da fronte, indicando
    Como é cansativo ser mal.”
    Autor: Bertolt Brecht (1898-1956)
    No nosso caso entretanto, a máscara do mal não é cansativa para o Relator que não se cansa de soltar bandidos e praguejar aqueles que fazem justiça. A outra máscara, a da COVID , é a que menos preocupa.

  2. Os OPINIONISTAS de plantão já formam a ideia geral de que é necessário duas máscaras. Mas, há opinionistas mais ousados que elevam o número para três ou quatro máscaras, como forma de garantir que não se assimile o vírus e nem que se o transmita. E agora, STF, como esse vil GRIUPO DOS ONZE vai decidir? Hoje, já sei, é uma máscara e amanhã, serão duas? Depois, serão três?, ou quatro? Esse pessoal dos onze perdeu a noção, divaga grotescamente sobre tudo, sobre todos, em todos os momentos da vida nacional. Afinal, provaram o gostinho do PODER e gostaram dele.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês