Após prisão de Áñez, Bolsonaro demonstra preocupação com a Bolívia

"Esperamos que a Bolívia mantenha em plena vigência o estado de Direito e a convivência democrática", afirmou Bolsonaro
-Publicidade-
Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo; presidente da República, Jair Bolsonaro; e ministro da Economia, Paulo Guedes
Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo; presidente da República, Jair Bolsonaro; e ministro da Economia, Paulo Guedes | Foto: Montagem/TV Brasil

O presidente Jair Bolsonaro demonstrou nesta terça-feira, 16, preocupação com a situação na Bolívia, onde a ex-presidente Jeanine Áñez foi presa sob a alegação de ter participado de um golpe contra o ex-presidente Evo Morales. Bolsonaro disse que, para o governo brasileiro, a alegação é “totalmente descabida”.

A crise na Bolívia começou depois que Morales foi reeleito sob várias denúncias de fraudes. Após pressão, o líder do Movimento ao Socialismo (MAS) renunciou e se exilou, primeiramente no México e, depois, na Argentina. Até a convocação de novas eleições, Áñez assumiu o governo.

-Publicidade-

Leia mais: “Primeiro-ministro do Japão é vacinado contra a covid-19”

Meses após a vitória de Luis Arce, aliado de Evo Morales, Jeanine Áñez foi presa no último sábado, 13, e deve ficar 4 meses em prisão preventiva.

“Esperamos que a Bolívia mantenha em plena vigência o estado de Direito e a convivência democrática”, afirmou Bolsonaro em reunião virtual do PROSUL, o Fórum para o Progresso e Desenvolvimento da América do Sul.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.