Chanceler do Paraguai pede vacinas ao Brasil

Ernesto Araújo afirmou que dará prioridade ao país vizinho
-Publicidade-
Ministro das Relações Exteriores do Paraguai, Euclides Acevedo Candia
Ministro das Relações Exteriores do Paraguai, Euclides Acevedo Candia | Foto: Gustavo Magalhães/MRE

Em visita ao Brasil, o chanceler paraguaio, Euclides Acevedo, pediu ajuda ao ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, para obter vacinas contra a covid-19. O presidente Jair Bolsonaro mantem boas relações com o governo paraguaio.

O chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, afirmou que o Brasil dará prioridade ao Paraguai quando estiver pronto para “começar a cooperar internacionalmente no provimento de vacinas”. A esperança é que novas doses deem fôlego ao presidente Mario Abdo Benítez que enfrenta protestos contra atrasos no programa de imunização.

-Publicidade-

Leia mais: “Biden propôs a Bolsonaro união no combate à pandemia, informa Planalto”

Na quarta-feira 17, mesmo dia da visita de Acevedo, a maioria dos parlamentares paraguaios decidiram arquivar uma denúncia por má gestão no combate à crise sanitária. Assim, não será aberto um processo de impeachment contra Benítez. Ele ainda sofre pressão para renunciar.

Após pedido, o presidente do Chile, Sebastián Piñera, doou 20 mil doses aos paraguaios no início de março.

Itaipu

Em razão da pandemia, os chanceleres decidiram adiar o início da renegociação do Anexo C do Tratado de Itaipu, que vence em 2023, e trata da comercialização e dos preços da energia gerada pela usina binacional. Os ministros disseram que pretendem começar as discussões “em breve”.

Assinado em 1973 pelos governos militares, o Anexo C prevê que cada país tem direito à metade da energia gerada pela usina e determina a venda ao outro do que não utilizar.

O Paraguai defende que o excedente possa ser comercializado com outros países e argumenta que o Brasil paga barato pela energia a mais que compra. O anexo será revisto porque a dívida de construção da usina estará quitada.

Em 2019, os países assinaram um acordo estabelecendo a compra da energia até 2022. Na prática, os termos elevariam custos à estatal de energia paraguaia, em cerca de US$ 200 milhões. Por isso, motivou um pedido de impeachment do presidente paraguaio, Mario Abdo Benítez. A negociação com a Eletrobrás foi refeita, sem elevação de custos tarifários.

Com informações do Estadão Conteúdo

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.