Cinco morrem em protestos no Irã

A morte de uma mulher presa no país por mau uso do véu desencadeou uma onda de violência
-Publicidade-
Os protestos ocorrem pelo terceiro dia em cidades iranianas
Os protestos ocorrem pelo terceiro dia em cidades iranianas | Foto: Reprodução/Redes Sociais

As forças de segurança do Irã abriram fogo contra um grupo de manifestantes na cidade curda de Saqez, na segunda-feira 19. Cinco pessoas morreram e 75 ficaram feridas. Eles protestavam contra morte de Mahsa Amini, 22 anos, que foi presa por usar de maneira incorreta o jihab, o véu islâmico.

Esse foi o terceiro dia de turbulência no Irã, incluindo a capital, por causa da detenção e da morte da jovem. Policiais alegaram que Amini sofreu um ataque cardíaco durante a prisão, para que, nas palavras dos agentes, fosse “convencida e educada”. Eles negaram que ela tenha sido agredida.

Não houve confirmação oficial das mortes, segundo a agência de notícias Reuters. A TV estatal informou que vários manifestantes foram presos, mas rejeitou “algumas alegações de mortes nas redes sociais”, mostrando dois jovens feridos.

-Publicidade-

Segundo a organização de Direitos Humanos de Hengaw, as mortes foram registradas em Saqez, cidade natal de Amini, e em Divandarreh.

Nas redes sociais, as menções à morte de Amini alcançaram 2 milhões de publicações. Muitos cineastas, artistas, personalidades esportivas, políticos e figuras religiosas se expressaram nas mídias sociais.

Em Washington, a Casa Branca exigiu responsabilização pela morte da jovem. “A morte de Mahsa Amini após ferimentos sofridos enquanto estava sob custódia policial por usar um hijab ‘impróprio’ é uma afronta terrível e flagrante aos direitos humanos”, informou o governo norte-americano.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Se os homens e mulheres iranianos não derrubarem esse regime ditatorial agora, muito em breve vão se tornar bibelôs do estado, como o povo chinês.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.