Com imunizante russo, Argentina inicia vacinação

Estudos sobre a Sputnik V ainda não foram publicados em revistas científicas
-Publicidade-
Foto: Adriana Toffetti/Estadão Conteúdo
Foto: Adriana Toffetti/Estadão Conteúdo | Foto: Adriana Toffetti/Estadão Conteúdo

Estudos sobre a Sputnik V ainda não foram publicados em revistas científicas

com imunizante russo
De acordo com o governo do presidente Vladimir Putin, a vacina apresentou eficácia de 96% na fase 3
Foto: Adriana Toffetti/Estadão Conteúdo
-Publicidade-

O governo dos peronistas Alberto Fernández e Cristina Kirchner iniciou nesta terça-feira, 29, a vacinação dos argentinos contra a covid-19. O imunizante experimental utilizado é o da Rússia, batizado de Sputnik V — cerca de 300 mil unidades chegaram ao país na quinta-feira 24. Os primeiros a receber as doses serão os profissionais da área de saúde. A expectativa é que o processo seja concluído em 72 horas. “A ideia é que, quando chegue o outono [20 de março de 2021], nós tenhamos a maior parte da população de risco vacinada”, declarou o presidente Alberto Fernández a governadores, na noite da segunda-feira 28. “Enquanto isso, vamos nos cuidar, e que todos entendam que o risco existe, e que é preciso evitar aglomerações”, concluiu.

Em 23 de dezembro, a “Anvisa da Argentina” aprovou o uso emergencial do imunizante russo, mesmo sem estudos publicados em revistas científicas. Especialistas criticaram a pressa da dupla Fernández-Kirchner. De acordo com o governo do presidente Vladimir Putin, a vacina apresentou eficácia de 96% na fase 3. Contudo, o imunizante não é recomendado para pessoas acima de 60 anos porque os efeitos são “fracos”. Documentos obtidos pelo jornal Clarín informam que a Sputnik provocou 12 eventos adversos considerados “sérios” em voluntários russos, dos quais três foram identificados em pessoas de mais de 60 anos, como cólica renal e trombose venosa profunda. Os outros não foram especificados, segundo a publicação argentina.

Leia também: “A supervacina”, reportagem publicada na Edição 39 da Revista Oeste

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 comments

  1. Estou aqui a pensar como irão pagar por essas vacinas russas. Dizem que essa vacina necessita de duas aplicações por pessoa ao custo de US$ 10,00, ou seja US$ 20,00/por una cabeza. Como a população da Argentina é de mais ou menos 45 milhões, vamos supor que 70% tenham que ser vacinadas para se atingir a imunização de rebanho, então serão 45.000.000 x 0,75 x 20 = 675 milhões de dólares! Vai pagar ou não vai?

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site