Como será o mundo pós-pandemia?

Uma lição de casa para os confinados [caption id="attachment_238740" align="alignnone" width="1920"] Foto: Gerd Altmann/Pixabay[/caption] Dos inúmeros memes gerados pela pandemia, chama atenção o atribuído a uma bióloga espanhola, sugerindo que…
-Publicidade-

Uma lição de casa para os confinados

coronavirus
Foto: Gerd Altmann/Pixabay
-Publicidade-

Dos inúmeros memes gerados pela pandemia, chama atenção o atribuído a uma bióloga espanhola, sugerindo que convoquemos astros do futebol, como Messi e Cristiano Ronaldo, para providenciar um remédio contra a covid-19. Afinal, argumenta, não é a eles que a sociedade destina as mais polpudas remunerações, enquanto reserva aos cientistas e pesquisadores da saúde retribuição e prestígio infinitamente menores?

A comparação vale, é claro, para inúmeros outros descompassos nessa questão – como entre ídolos da música pop e médicos da rede pública, ou professores e estrelas de cinema, por exemplo. Sem falar no abismo, aqui no Brasil, entre os políticos e a cúpula privilegiada do funcionalismo e aqueles da base da pirâmide que realmente merecem ser chamados de servidores públicos.

Só que esse disparate, como tantos temas pouco glamorosos como saneamento e desnutrição, por exemplo, não conseguia atrair, até agora, a atenção que merece. Estávamos entretidos demais com debates considerados mais prementes, a exemplo de banheiros transgêneros, apropriação cultural e revisão de livros escolares para adequá-los ao discurso politicamente correto.

Bastou, contudo, o mundo entrar neste inimaginável modo pause para outro vírus, o da reflexão, começar a infectar saudavelmente as mentes. Com milhões de pessoas confinadas, conectadas, e de repente ociosas, surge inescapavelmente a questão: o que é realmente importante na vida? Quais deveriam ser nossas prioridades como indivíduos e sociedade?

Pois, diante da mais absoluta indefinição sobre o que o futuro nos reserva, apenas uma certeza prevalece. O mundo pós-pandemia será diferente do que o que temos hoje. E, embora não tenhamos ideia do como, sabemos que ele está sendo moldado agora, pelas decisões políticas e práticas que serão tomadas e as lições que aprenderemos.

No vasto leque que vai das mais catastróficas distopias até a esperança dos otimistas inveterados, há muita asneira sendo disseminada. Para os ambientalistas, quem está nos castigando com essa lição amarga é a natureza agredida – embora não esclareçam se as epidemias dos séculos passados também podem ser explicadas pela emissão de gases de efeito estufa. Já na visão dos místicos, é o universo que nos obriga a retomar um equilíbrio cósmico supostamente perdido.

Os anticapitalistas apressam-se a culpar a ganância do mercado, que consideram intrinsecamente malévolo, um ente demoníaco, feito as bruxas, e não o reflexo da própria ação humana, organizada de forma livre ao longo da história. Enquanto os brasileiros de bom senso tentam calcular o que os cerca de R$ 80 bilhões desperdiçados na reforma e construção de estádios para a Copa do Mundo e outros tantos zilhões perdidos no ralo da corrupção das últimas décadas comprariam em termos de leitos de UTI e respiradores artificiais.

Felizmente, temos acesso também a mentes brilhantes que sugerem algumas reflexões críticas como lição de casa para a quarentena. Será que o mundo não estava mesmo acelerado, doentio e anacrônico demais? A demandar uma revisão radical de prioridades, paradigmas e práticas?

Vários estudiosos da disrupção digital, como Manuel Castells, Pierre Lévy, Don Tapscott e Peter Diamandis, entre outros, vêm há tempos alertando que ela iria tornar obsoletas quase todas as instituições e sistemas sociopolíticos tradicionais. O trabalho inspirado nas linhas de montagem tayloristas e o ensino pautado no acúmulo de informações, entre outros modelos da era industrial, por exemplo, e até mesmo a democracia representativa, já não fariam mais sentido numa sociedade conectada em rede, que dispensa intermediações e funciona como um grande cérebro coletivo.

Seriam insustentáveis, da mesma forma, o hiperconsumo e a obsolescência programada dos produtos industriais, uma das faces perversas da prosperidade capitalista das últimas décadas, porque geram imenso desperdício de recursos não renováveis e outros impactos ambientais severos.

Ou seja, apesar de seu incalculável custo humano e econômico, que ainda nem conseguimos dimensionar, a pandemia poderia representar uma oportunidade única para tentarmos reinventar, para melhor, o mundo como o conhecemos. Afinal, estamos em meio a uma revolução. E a história ensina que podemos saber como elas começam, mas nunca como terminam.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site