-Publicidade-

Conservadores barram o aborto em província argentina

Grupo acionou a Justiça contra a medida que autoriza a interrupção da gravidez até a 14ª semana de gestação
Movimento pró-vida faz passeata contra a aprovação da medida, em novembro de 2020
Movimento pró-vida faz passeata contra a aprovação da medida, em novembro de 2020 | Foto: Divulgação/Twitter

A lei que permite o aborto até a 14ª semana de gestação está suspensa em Chaco, província argentina. É o que decidiu a juíza Marta Aucar ao acolher, na quinta-feira 28, pedido feito por um grupo de conservadores. Segundo eles, a interrupção da gravidez aprovada pelo Congresso Nacional viola a Constituição de Chaco. “A medida restringe, menospreza, violenta, limita e altera a existência, o exercício e o gozo do direito à vida da criança por nascer, protegida pelo nosso ordenamento jurídico desde a concepção”, informa trecho da ação. Para resolver o litígio, o caso deve passar por várias instâncias da Justiça até chegar à Suprema Corte de Justiça.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês