CoronaVac é reprovada na Costa Rica

Eficácia abaixo de 60% fez com que o Ministério da Saúde local decidisse não comprar o produto da Sinovac
-Publicidade-
CNVE diz que dados da CoronaVac não foram revisados por pares
CNVE diz que dados da CoronaVac não foram revisados por pares | Foto: Divulgação/Gesp

No dia 16 de junho, o Ministério da Saúde da Costa Rica afirmou que, “por enquanto”, não vai comprar a CoronaVac — a vacina contra a covid-19 desenvolvida pela chinesa Sinovac, que é distribuída no Brasil pelo Instituto Butantan.

Leia também: “Vacinados com CoronaVac seguem barrados nos Estados Unidos”

De acordo com comunicado emitido pelo órgão, a decisão foi tomada pela Comissão Nacional de Vacinação e Epidemiologia (CNVE). A fundamentação veio de uma resolução da pasta da Saúde determinando que as vacinas utilizadas no país tenham, pelo menos, 60% de eficácia para a prevenção do contágio, exigência “não atingida” pela CoronaVac.

-Publicidade-

A CNVE também ressaltou que os resultados apresentados no ensaio clínico do produto da Sinovac ainda não passaram por uma revisão realizada por pares.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

7 comentários Ver comentários

  1. Essas republiquetas bananeiras como Costa Rica, União Europeia, Estados Unidos, Canadá, Austrália, não conhecem a “siência” que aqui veneramos de joelhos.

  2. Há informações de que essa Coronavac já estava pronta desde o fim de 2019, antes mesmo do surto do vírus. Ou seja, era a vacina default desenvolvida em parceria com o laboratório de Wuhan através da sua pesquisa de ganho de função. Só se deram ao trabalho de envasar e distribuir para as pocilgas chinesas espalhadas pelo mundo afora, com ganhos de bilhões de dólares. Na própria China, há muita resistência a ela, inclusive por membros do PCCh.

  3. Essa deveria ser uma escolha exclusivamente de foro íntimo.
    Deveriam ser expostas os prós, os riscos, a eficácia (o que significa na prática) e a segurança da droga emergencial ora injetável, e deixar que o cidadão junto ao médico decidam!
    Fora isso é manter a desinformação e algum tipo de indução quer seja para tomar a vacina ou não.
    Vivemos num mundo onde uma quantidade significativa de leigos, prepotentes, megalomaníacos e corruptos, tentam impor seu modo de vida aos demais.
    Nossa luta vai muito além de uma droga, um vírus ou um lockdown, tem a ver com um mínimo de instrução para que o indivíduo possa exercer sua liberdade, autonomia e soberania compartilhando a responsabilidade com a sociedade.

  4. Só Brasil, Chile e Uruguai cairam no conto do vigário dessa CORONACHINA. A ANVISA está sendo uma negação. Está sendo comandada por um melancia chamado Barra Torres. Tem que limpar essas FFAAs, antes um orgulho para o brasileiro.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.