-Publicidade-

Desilusão na Argentina ressuscita separatismo

Parlamentar defende a independência da província de Mendoza
O presidente da Argentina, Alberto Fernández | Foto: DIVULGAÇÃO/FOTOARENA
O presidente da Argentina, Alberto Fernández | Foto: DIVULGAÇÃO/FOTOARENA

Parlamentar defende a independência da província de Mendoza

desilusão
O presidente da Argentina, Alberto Fernández | Foto: DIVULGAÇÃO/FOTOARENA

“Fazer parte da Argentina põe freios à economia de Mendoza (província do país) e nos afasta dos investidores internacionais”, afirmou o deputado federal argentino Alfredo Cornejo, em entrevista à Folha de S.Paulo. “Além disso, temos características culturais e políticas muito específicas”. O desabafo é a opinião dos defensores do chamado “mendoexit”, uma espécie de brexit sul-americano. O movimento separatista ganhou força por causa da insatisfação com o presidente Alberto Fernández.

O tema veio à tona depois de Cornejo defender a ideia publicamente. Ele é uma das figuras políticas mais relevantes da Argentina e preside o União Cívica Radical, partido tradicional que apoiou o ex-presidente Maurício Macri. Entre outras insatisfações, o parlamentar queixou-se das medidas de isolamento social adotadas por Fernández e Cristina Kirchner, que prejudicaram severamente o turismo local. O setor responde por boa parte da arrecadação de impostos de Mendoza.

Contudo, a possibilidade de a província tornar-se independente da Argentina só pode ocorrer através de uma mudança na Constituição, improvável no momento. A ideia, entretanto, persiste. Mendoza é conhecida como a terra dos políticos menos corruptos do país. Também carrega a fama de possuir um Judiciário ágil e competente, diferente de Buenos Aires. Os moradores do local têm uma tradição política diferente da do resto do país, em que se preza o respeito à Constituição regional, de 1916.

Leia também: Empresários deixam a Argentina para investir no Brasil

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.