Em uma semana, moeda da Venezuela se desvaloriza 21% em relação ao dólar

Ditadura de Nicolás Maduro está tentando controlar a demanda pela moeda norte-americana no país
-Publicidade-
Nicolas Maduro, o ditador da Venezuela
Nicolas Maduro, o ditador da Venezuela | Foto: Reprodução/Twitter

O bolívar, moeda oficial venezuelana, desvalorizou-se 21% em relação ao dólar. Essa desvalorização ocorreu apenas nesta semana, como mostra relatório divulgado na sexta-feira 26 pelo Banco Central da Venezuela (BCV).

Na semana anterior, a moeda norte-americana fechou a 6,18 bolívares no mercado oficial — um aumento de quase 30%. Essa alta tem impactado os preços das mercadorias e dos serviços, calculados, em sua maioria, em dólar. Em contrapartida, a cotação da moeda norte-americana no mercado paralelo, que rege as transações, subiu 23% — de 6,95 bolívares para 8,56.

-Publicidade-

A ditadura venezuelana diz estar se esforçando para conter o câmbio oficial e, por consequência, atenuar a inflação. Recentemente, o país reduziu a emissão de bolívares necessários para a compra do dólar, a fim de controlar a demanda pela moeda norte-americana.

Em entrevista a Oeste, a embaixadora da Venezuela no Brasil, María Teresa Belandria, revelou que uma cesta básica em seu país se tornou um artigo de luxo. “Crianças morrem de fome todos os dias”, afirmou. “Os hospitais não têm medicamentos suficientes. Diariamente, uma multidão de pessoas deixa o país. Até governantes como o presidente do Chile, Gabriel Boric, já declarou que a Venezuela não é uma democracia, além do presidente do Peru, Pedro Castillo. Estar do lado de Maduro é apoiar um regime que mata pessoas.”

O leitor pode ler a entrevista completa ao clicar neste link.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. O pior é sabermos que se eleito, esse vagabundo cachaceiro irá desviar ( ou seria roubar?) nosso dinheiro para abastecer os cofres desse sanguinário venezuelano!

  2. Lula tem acenado com várias propostas de cunho esquerdista radical em 2022, tais como revisão de privatizações, descontrole de gastos públicos, aumento de impostos volta da CPMF, libertação de bandidos, apoio financeiro a Cuba e Venezuela, perseguição a membros da Operação Lava Jato e partidos de oposição (direita), banimento de jornais e emissoras de oposição e maior abertura da economia brasileira ao capital chinês, inclusive à colaboração militar.

    Em termos geopolíticos, Lula presidente afasta o Brasil dos EUA e nos aproxima da China e da Rússia, que têm interesse em colocar mais bases militares na América do Sul, Atlântico Sul e Pacífico.

    Lula não pode ser eleito e, caso seja eleito, deve-se providenciar alguma maneira de impedi-lo de assumir.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.