Embaixada da China estuda se responde a Itamaraty e Eduardo Bolsonaro

A Embaixada da China estuda se responde, ou não, ao governo brasileiro e ao deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). O parlamentar e o Ministério das Relações Exteriores se posicionaram nesta…
-Publicidade-

A Embaixada da China estuda se responde, ou não, ao governo brasileiro e ao deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). O parlamentar e o Ministério das Relações Exteriores se posicionaram nesta quinta, 19. O tom utilizado por ambos não foi muito bem recebido pelos chineses, diz um interlocutor.

O Itamaraty classificou como “inaceitável” que o embaixador chinês Yang Wanming “endosse ou compartilhe postagem ofensiva ao chefe de Estado do Brasil e aos seus eleitores, como, infelizmente, ocorreu ontem à noite”. “A reação do embaixador foi, assim, desproporcional e feriu a boa prática diplomática”, declarou o chanceler Ernesto Araújo. Já Eduardo fez acenos por paz, mas também manteve a linha de pensamento que originou a polêmica.

 

-Publicidade-
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. Achei o comentário de Eduardo fora de propósito como tantos outros, mas o governo chinês fez uma “meleca” ao confundir a
    pessoa do parlamentar, que não integra o governo, com o Governo em si.
    Falta de tato de Eduardo Bolsonaro, e falta de profissionalismo do embaixador. Até acho o comentário do embaixador muito pior que a postagem do EB. Os dois perderam a oportunidade de ficarem quietos.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.