Espanha envia navios de guerra para Ucrânia se defender da Rússia

Reforço militar espanhol ocorre em meio à escalada de tensão no conflito geopolítico que envolve Kiev
-Publicidade-
Meteoro (P-41) é um dos navios espanhóis que seguirão para o Mediterrâneo
Meteoro (P-41) é um dos navios espanhóis que seguirão para o Mediterrâneo | Foto: Divulgação/Ministério da Defesa

Navios de guerra espanhóis se juntarão às forças navais da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Mar Mediterrâneo e no Mar Negro. É o que informou a ministra da Defesa da Espanha, Margarita Robles, em entrevista concedida na quinta-feira 20 à agência de notícias Reuters.

“A Rússia não pode dizer a nenhum país o que fazer”, advertiu Robles. “Então, a Otan protegerá e defenderá a soberania de qualquer país que possa ou queira ingressar na organização.”

O reforço militar espanhol ocorre em meio à escalada de tensão no conflito geopolítico que envolve a Ucrânia. No momento, cerca de 100 mil soldados russos estão posicionados na fronteira ucraniana, e a possibilidade de guerra não está descartada. Moscou nega o interesse em um conflito bélico.

-Publicidade-

Na última terça-feira, 18, uma reunião entre o ministro das Relações Exteriores da Espanha, José Manuel Albares, e o chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Antony Blinken, definiu uma série de ações coordenadas da Otan, para responder às ameaças da Rússia à Ucrânia. O envio de navios de guerra ao Mediterrâneo é o primeiro passo dessa investida.

Conforme noticiou Oeste, a Marinha russa iniciou manobras militares em todo o território nacional. “Será realizada uma série de exercícios em todas as zonas de responsabilidade da frota”, informou o Ministério da Defesa. Cerca de 10 mil soldados e 140 navios farão parte das operações.

O chefe da Marinha, almirante Nikolai Yevmenov, será o comandante dos exercícios, que ainda contarão com a participação de 60 aviões e 1.000 unidades militares. O objetivo dessas operações é defender os interesses nacionais e lutar contra as ameaças militares, segundo o Kremlin.

As forças russas destacam ainda que os navios e os aviões efetuarão exercícios em águas territoriais e internacionais, o que envolve a presença da Marinha em regiões que vão do Mar Mediterrâneo ao Mar de Okhotsk e do Oceano Pacífico à parte nordeste do Atlântico. Seis grandes navios já zarparam do Porto de Baltisk, em Kalingrado, rumo ao Mediterrâneo.

Ucrânia, a menina dos olhos

O impasse nas negociações entre Estados Unidos e Rússia sobre a situação geopolítica da Ucrânia deixou a Europa à beira de um conflito bélico.

Clique aqui para ler a reportagem completa.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

10 comentários Ver comentários

  1. Se houver uma maneira do Brasil ficar de fora do conflito e continuar comercializando com a Rússia , união europeia , estados unidos , china , Ásia , África e Mercosul acho que estará tudo bem .
    Já temos nossa luta diária aqui contra os nove dedos do judiciário e congresso !

  2. Não gosto do Socialismo/marxismo Russo assim como não gosto dos Socilistas/Marxistas Americanos, Biden é a incarnação POSTE do Marxismo Opressor Americano, Os esquerdistas Brasileiros temem e odeiam não o conservador Trump que disse “não somos a policia do mundo” e começou a retirar tropas, mas sim o imperio marxista americano, Só é possivel o marxismo florescer num ambiente conservador por causa da liberdade que é praticamente uma lei. Já num territorio dominado pelos Marxistas ou vc obedece ou vira inimigo e vai pro paredão.

  3. Pesquisando na Wikipedia, encontra-se que uma Divisão (agrupamento de forças militares) tem entre 10 e 15 mil soldados. A invasão do Iraque em 2003 foi feita com 3 Divisões. A Ucrânia está olhando para cerca de 7 Divisões russas, completíssimas, dispostas ao longo de sua fronteira, apenas aguardando uma palavra do Putin. Algo como: Между.

    Em situações assim, em que o confronto é iminente, a “Arte da Guerra” recomenda bater primeiro e bater forte. Assumir a iniciativa e tirar do agressor o domínio da situação. Os russos nunca viram isso acontecer. Seria uma surpesa avassaladora.

    1. A Ucrânia está se integrando à OTAN. É isso que está incomodando a Rússia. O curioso é que a própria Rússia tentou entrar na OTAN depois que a URSS caiu, mas foi rejeitada. Por razões óbvias.

  4. 100 mil soldados estacionados na fronteira é uma guerra, mesmo que não seja disparado um único tiro. A simples reunião de tamanha força militar já é uma agressão execrável, uma ação de terror. O povo ucraniano sabe que está em guerra e apenas aguarda, a qualquer momento, as bombas caírem em suas cabeças. É como na Londres da 2aGM.

    Putin sempre fez o que quis sem enfrentar qualquer risco de reação militar. O único revide foi aquele dos Tomahawk do Trump, e mesmo assim foi só um alerta – os russos foram avisados antes do ataque à base aérea síria. Parece que o roteiro neste caso será outro. Há muito tempo não havia uma mobilização da OTAN para dissuadir as ações hostis da Rússia. Quando há um risco real de uma resposta à altura, a decisão de iniciar o conflito é mais ponderada. Putin é qualquer coisa, menos burro.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.