‘Estamos no limite’, afirma o presidente da Argentina

Fernández fez um apelo para que o mundo compreenda "que não será possível mudar a proposta final de reestruturação da dívida" de US$ 65 bilhões
-Publicidade-
O presidente da Argentina, Alberto Fernández | Foto: REPRODUÇÃO/INTERNET
O presidente da Argentina, Alberto Fernández | Foto: REPRODUÇÃO/INTERNET | O presidente da Argentina, Alberto Fernández | Foto: REPRODUÇÃO/INTERNET

Fernández fez um apelo para que o mundo compreenda “que não será possível mudar a proposta final de reestruturação da dívida” de US$ 65 bilhões

estamos no limite
O presidente da Argentina, Alberto Fernández | Foto: REPRODUÇÃO/INTERNET
-Publicidade-

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, confessou ontem que o país chegou ao limite. Além disso, sinalizou que não vai conseguir oferecer outra proposta para a dívida externa do país, hoje em US$ 65 bilhões (o equivalente a R$ 361 bilhões). Dessa forma, fez um apelo para que as outras nações compreendam que não será possível mudar a proposta final de reestruturação do déficit. “Esperamos que o mundo nos entenda. Não viemos aqui para brigar com os credores. Viemos para resolver um problema que não criamos”, explicou em entrevista ao jornal Financial Times.

Leia também: Empresários dão adeus à Argentina para investir no Brasil

Em síntese, o país tem empréstimos de US$ 323 bilhões e está em moratória desde abril deste ano. O prazo para o pagamento foi estendido pela 5ª vez no mês passado. O peronista garantiu: ainda que os credores não aceitem a proposta de 53 centavos por dólar, “não haverá outra oferta, estamos no limite”. Recentemente, o governo de esquerda foi alvo de vários protestos contra a estatização da 4.ª maior exportadora de grãos de soja do país, a Vicentín. A população também não está satisfeita com as políticas de isolamento social adotadas para combater o coronavírus.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

14 comentários

      1. Lembro do tempo que se dizia que o Brasil era a “Agentina amanhã”. Graças a Deus os tempos são outros, e como são!

    1. Ô Crystian por menos. Vamos intitular esse governo argentino, pelo menos progressista, neoliberal ou mesmo social democrata? São codinomes do COMUNISMO exacerbado já dominante. FHC conseguiu isto por aqui. Tá duro de expurgar. Só a PRISÃO em SEGUNDA instância e fim do foro privilegiado darão rumo ao BRASIL.

    2. Falei cuando foram eleitos esses comunistas, que em menos de dois anos a Argentina iria ao caos econômico total, dito e feito. Mais a maioria dos Argentinos merecem ser governados por esses canalhas corruptos, o gente BURRA.

  1. Recado para o comunista Fernandez e a ladra kirchner: o mundo compreende que vcs são 2 vigaristas representantes do movimento comunista internacional e do grupo de Puebla. O compromisso de vcs é tornar os comunistas parasitas da Argentina. Nem Freud explica pq os argentinos votaram em vcs. Agora paguem com as nádegas.

  2. Lamentável a escolha dos argentinos por um presidente com viés de esquerda, cujo resultado futuro nós bem conhecemos. Quem não aprende com os próprios erros acaba sofrendo duas vezes.

  3. Ué, os esquerdistas não falavam que quando a esquerda entrasse a Argentina ia se recuperar do liberalismo do Macri ? Até o fim do mandato da Cristina e seu fantoche a Argentina já vai estar em um buraco mais fundo do que está agora.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.