Inflação na Alemanha acelera e atinge 4,1% em setembro

É o que informa o Departamento Federal de Estatísticas do país
-Publicidade-
Angela Merkel é chanceler da Alemanha
Angela Merkel é chanceler da Alemanha | Foto: Reprodução/Flickr

A inflação na Alemanha acelerou em setembro e atingiu o maior nível em 28 anos, informou o Departamento Federal de Estatísticas (Destatis) na última quinta-feira, 30.

Os preços ao consumidor aumentaram 4,1% em setembro, na comparação com o mesmo mês do ano anterior. A última vez que o índice passou de 4% no país foi em 1933, quando alcançou 4,3%.

Leia mais: “Partido Social-Democrata alemão inicia conversas por coalizão”

-Publicidade-

De acordo com o Destatis, os preços da energia e dos alimentos foram os que mais subiram. Em setembro, os consumidores alemães pagaram 14,3% a mais pelo fornecimento de energia doméstica e combustíveis do que há um ano.

A remoção temporária do Imposto sobre Valor Agregado (IVA), adotada para estimular a demanda durante a pandemia, também contribuiu para alta da inflação. O IVA voltou a ser cobrado em janeiro deste ano, fazendo os preços de bens e serviços subirem.

Leia também: “Merkel parabeniza Olaf Scholz por vitória nas eleições”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.