Israel e Alemanha pedem que ONU condene negação do Holocausto

Representantes dos países argumentam que não reconhecer os crimes cometidos pelos nazistas é um ataque às vítimas
-Publicidade-
Auschwitz foi onde ocorreu um dos terrores contra o povo judeu
Auschwitz foi onde ocorreu um dos terrores contra o povo judeu | Foto: Reprodução/Flickr

Israel e Alemanha vão apelar à Assembleia Geral das Nações Unidas que adote uma resolução em favor da condenação de quem negar o Holocausto. A embaixadora alemã em Jerusalém, Susanne Wasum-Rainer, e o embaixador israelense em Berlim, Jeremy Issacharoff, publicaram um comunicado conjunto nesta quinta-feira, 20, para reforçar a intenção de ambos os países.

“Esta resolução deve ser um sinal de esperança e inspiração para todos os Estados e sociedades que defendem a diversidade e a tolerância, lutam pela reconciliação e compreendem que lembrar o Holocausto é essencial para evitar que crimes do tipo se repitam”, escreveram os diplomatas.

Os embaixadores argumentam que a negação do Holocausto é um ataque às vítimas e seus descendentes, ao povo judeu e à “condição básica das sociedades pacíficas e da coexistência pacífica mundo afora”.

-Publicidade-

Conferência de Wannsse

O apelo coincide com os 80 anos da Conferência de Wannsse, quando líderes nazistas se encontraram em uma mansão nas margens do Lago Wanssee, em Berlim, para discutir o aniquilamento sistemático de até 11 milhões de judeus na Europa. A ata da reunião de 1942 segue preservada até hoje.

De acordo com a ministra do Exterior alemã, Annalena Baerbock, mesmo 80 depois da Conferência de Wanssee, é essencial lembrar como os diplomatas alemães se tornaram cúmplices dos crimes nazistas. “Os funcionários do Ministério do Exterior que se colocaram a serviço dos crimes e do genocídio do regime nazista também são culpados por seu sofrimento”, afirmou Baerbock.

Leia mais: “Por que Israel não pode se defender?”, artigo de Rodrigo Constantino publicado na Edição 66 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

6 comentários Ver comentários

  1. “Esta resolução deve ser um sinal de esperança e inspiração para todos os Estados e sociedades que defendem a diversidade e a tolerância…” Incoerência? Deixar alguém falar é o melhor remédio contra a idiotice.

  2. Quanta idiotice, querem criminalizar tudo hoje em dia. Se for seguir essa lógica, deve-se criminalizar também quem nega que Cristo sofreu e morreu pela humanidade, que os apóstolos foram martirizados para defender a liberdade de divulgar a biblia etc…
    Isso é falta do que fazer!

    1. Deveriam criminalizar os meios de comunicação que escondem o holocausto que ocorre na Palestina â 70 anos !!!! A maior sacanagem da história da humanidade !!!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.