Novo governo é aprovado no Parlamento de Israel

Vai ser a primeira vez desde dezembro de 2018 que Israel terá um governo plenamente funcional.
-Publicidade-
O plenário do Knesst, o parlamento israelense
Foto: Itzik Edri/Pikiwiki
O plenário do Knesst, o parlamento israelense Foto: Itzik Edri/Pikiwiki

O Knesset aprovou a coalização entre Netanyahu, que continua como primeiro-ministro, e Benny Gantz, líder do Movimento Azul e Branco

O plenário do Knesst, o parlamento israelense
O plenário do Knesst, o parlamento israelense| Foto: Itzik Edri/Pikiwiki
-Publicidade-

Na manhã desta quinta-feira o Knesset, o Parlamento de Israel, aprovou em segundo turno as leis necessárias para a formação de um novo governo no país. Vai ser a primeira vez desde dezembro de 2018 que Israel terá um governo plenamente funcional.

A aprovação contou com o apoio do  bloco de centro-direita liderado pelo Likud, do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, com os parlamentares do Movimento Azul e Branco, que agora fazem parte da coalizão governista, e não encontrou resistência do principal partido de oposição, o Trabalhista.

A aprovação das leis foi necessária em razão do acordo feito entre Netanyahu e o líder do Movimento Azul e Branco, Benny Gantz, que prevê que o atual primeiro-ministro fique no poder até o final de 2021 e depois seja substituído no cargo pelo seu aliado, como informa o The Jerusalem Post.

O acordo já havia sido aprovado em primeira votação, como exige as leis do país, na semana passado. O prazo máximo para a formação do governo seria até sábado, 9.

A cerimônia de posse deve acontecer na próxima quarta-feira.

Aprovação da Suprema Corte

Mais cedo, em uma decisão unanime, a Suprema Corte de Israel rejeitou uma ação que poderia impedir Netanyahu de continuar como primeiro-ministro e, na prática, destruir a possibilidade da formação de um novo governo.

A ação foi apoiada por políticos da oposição e por entidades da sociedade civil, como o Movimento pela Qualidade do Governo, que lamentou muito a decisão da corte.

Embora os juízes tenham afirmado que as acusações contra Netanyahu — ele foi indiciado por fraude, corrupção e abuso de poder —  são muito graves, eles concluíram que isso não é impedimento para que ele faça parte do governo.

De acordo com o entendimento dos magistrados, Netanyahu só poderia ser impedido caso já tivesse sido condenado, o que não é o caso.

 

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site