Revista Oeste - Eleições 2022

OMS: mundo tem condições de acabar com a pandemia

Declaração é de Tedros Adhanom, que voltou a defender a distribuição mais equilibrada de vacinas entre todos os países
-Publicidade-
Tedros Adhanom falou durante evento da Cúpula Mundial sobre a saúde, na Alemanha
Tedros Adhanom falou durante evento da Cúpula Mundial sobre a saúde, na Alemanha | Foto: Reprodução/Flickr

O chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, disse no domingo 24 que a pandemia de covid-19 vai terminar “quando todo mundo decidir acabar com ela”.

A declaração foi dada na cerimônia inaugural da Cúpula Mundial de Saúde em Berlim, na Alemanha.

“Está nas nossas mãos [acabar com a pandemia]; dispomos de todas as ferramentas de que precisamos para isso”, disse o chefe da OMS, que voltou a insistir em uma distribuição mais equilibrada em todo o mundo das vacinas contra o coronavírus.

-Publicidade-

A OMS estabeleceu como meta que 40% da população de cada país esteja vacinada contra a covid-19 antes do fim do ano e 70% em meados de 2022.

“O objetivo é alcançável, mas só se os países e as empresas que controlam o abastecimento traduzirem suas declarações em fatos”, observou Adhanom.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Ele deveria se posicionar, também, a favor do tratamento precoce ou inicial, com a medicação que todos conhecem e que livrou milhões de irem parar no hospital ou virar número na contagem de óbitos.

  2. Não fosse a vassalagem de Tedros e da OMS a China, a pandemia não teria nem mesmo começado! Que esse patife assassino continue a frente da OMS (mais do que isso, está prestes a ser reeleito) demonstra como essa “governança global” só legítima o que há de pior.

  3. Ele precisa dizer isso ao Doria que insiste em vacinar crianças e adolescentes quando alguns países sequer aplicaram a 1a. dose. Importante também que orientasse quais vacinas devem ser descartadas pela baixa eficácia e que necessitam 3a.dose em um ano. Cabe também a esse organismo orientar porque algumas vacinas ainda não adquiriram registro definitivo nas principais agências mundiais de saúde. Falta também nos explicar como entender esse cocktail de vacinas com princípios ativos diferentes no mesmo organismo, ou seja, tomar 2 doses de Coronavac e 3a. de reforço da Pfizer ou AstraZeneca ou outra qualquer. Entendo que a “ciência” da OMS não esta sendo seguida pelos “cientistas” do Dória e da grande mídia nacional. Ai confunde nossa cabeça e a do Bolsonaro, que com razão segundo a “ciência”, já esta com imunização natural e com anticorpos neutralizantes. Não sou médico mas como explicar no que resulta se você já tendo anticorpos receber outra carga vacinal? Melhor será não raciocinar muito senão complica.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.