ONG denuncia ataque a defensores dos direitos humanos na Venezuela

Pelo menos 109 pessoas e organizações que defendem os direitos humanos na Venezuela sofreram ataques no primeiro semestre de 2020
-Publicidade-
Protesto na Venezuela | Foto: Daga95/Wikimedia
Protesto na Venezuela | Foto: Daga95/Wikimedia | Direitos humanos na Venezuela

O Centro para a Defesa e Justiça (CDJ) denunciou que 109 defensores dos direitos humanos foram atacados no primeiro semestre do ano na Venezuela

Direitos humanos na Venezuela
Protesto na Venezuela | Foto: Daga95/Wikimedia

Pelo menos 109 pessoas e organizações que defendem os direitos humanos na Venezuela sofreram ataques no primeiro semestre de 2020. De acordo com o Centro para a Defesa e Justiça (CDJ), a repressão se agravou durante a pandemia do coronavírus.

-Publicidade-

“A política de criminalização da defesa e da exigência dos direitos humanos foi exacerbada durante o Estado de Emergência que foi decretado em 13 de março. O Estado Venezuelano continua agredindo a quem defende os direitos humanos, pois considera eles inimigos internos”, denunciou a CDJ.

Veja também: “7 fatos que comprovam que a Venezuela é uma ditadura”

A ONG venezuelana contabilizou 51 ataques no primeiro trimestre e outros 58 entre abril e junho, meses que o país ficou de quarentena por conta da pandemia. Segundo os dados divulgados pelo regime de Nicolás Maduro, que são amplamente contestados pela comunidade internacional, o país conta com 9.465 pessoas contaminadas pelo coronavírus e 89 mortos.

A CDG denunciou que as pessoas mais atacadas foram profissionais da saúde, trabalhadores de organizações humanitárias e jornalistas. Ativistas sociais, líderes sindicais e defensores dos direitos humanos também sofreram perseguição.

As formas mais utilizadas foram “atos de intimidação de hostilização, perseguições, detenções arbitrárias, judicialização, ameaças e morte e ataques digitais”. A informação foi divulgado pelo jornal venezuelano El Nacional.

Ataques da ditadura

De acordo com a denúncia, 35% desses ataques foram realizados por organismos de imprensa controlados pelo governo, 31% por funcionários do Estado, 12% pelos órgãos de segurança e 22% dos ataques não foram especificados.

No segundo trimestre, informa o CDJ, os venezuelanos não deixaram de protestar por causa da crise econômica. “Se colocou em evidência o sistemático agravamento na repressão das organizações que defendem os direitos humanos na Venezuela”.

A ONG pede uma investigação e eventualmente a punição dos responsáveis. “O direto de se defender acabou virando um trabalho de alto risco”, concluiu.

 

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.