Organização judaica ajuda poloneses que salvaram a vida de judeus no Holocausto

Na Polônia, um grupo de jovens judeus está ajudando a levar comida a idosos poloneses que ajudaram a proteger os judeus durante os horrores do holocausto mais de 70 anos atrás. O país já teve 200 casos confirmados e 5 mortos pelo coronavírus.
-Publicidade-
Jovem judeu levando alimento para idosos na Polônia
Foto: Divulgação/From the Depths
Jovem judeu levando alimento para idosos na Polônia Foto: Divulgação/From the Depths

Em razão do coronavírus, organização judaica se organizou para levar mantimentos a idosos poloneses que ajudaram judeus na Segunda Guerra Mundial

Jovem judeu levando alimento a idosos na Polônia
Foto: Divulgação / From the Depths

Na Polônia, um grupo de jovens judeus está ajudando a levar comida a idosos poloneses que protegeram os judeus durante os horrores do Holocausto, mais de 70 anos atrás. O país já teve 200 casos confirmados e cinco mortos pelo coronavírus.

-Publicidade-

De acordo com o jornal The Jerusalem Post, esse auxílio está sendo organizado pela instituição judaica From the Depths e conta com a colaboração de taxistas. Desde o último domingo, cerca de 20 idosos receberam suas compras em casa.

Estão sendo procurados para receber esse auxílio aqueles considerados “Justos entre as Nações”, um título concedido pelo governo de Israel a todos os que arriscaram a vida na proteção a judeus durante a Segunda Guerra Mundial.

Com 88 anos, Krystyna Kowalska ajudou a salvar a vida de uma família judaica de quatro membros. Ela afirma que nunca sentiu tanto medo como agora.

“É uma época assustadora para sair de casa. Estou vendo o impacto que a doença tem na minha faixa etária”, afirmou Kowalska, que é viúva e mora sozinha num apartamento de um prédio sem elevador.

O fundador do grupo, Jonny Daniels, disse que está fazendo todas as entregas com luvas e máscara. Segundo ele, muitos dos idosos são solitários e o convidam para tomar chá, algo que ele gentilmente rejeita.

“Trata-se de pessoas que eu geralmente abraço e em quem dou beijo na bochecha durante eventos, mas nestes dias eu só carrego as sacolas para os apartamentos e saio logo”, disse Daniels.

Krystyna Kowalska entende a situação: “É um serviço muito gentil. Significa que não preciso arriscar a saúde saindo de casa. É muito bom saber que posso confiar nessas pessoas”.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.