Pandemia provocou alta de casos de depressão e ansiedade

É o que revela estudo da revista científica The Lancet
-Publicidade-
A pandemia também afetou a saúde mental da população
A pandemia também afetou a saúde mental da população | Foto: Reprodução/Flickr

Os casos de depressão e ansiedade cresceram mais de 25% no mundo em 2020 devido à pandemia do novo coronavírus, revelou estudo publicado neste sábado, 9, na revista científica The Lancet.

A pesquisa é a primeira a avaliar o impacto da crise sanitária nos problemas depressivos clínicos e na ansiedade, divididos por idade, sexo e localização. Ao todo, foram analisados 204 países durante o ano passado.

Resultados

-Publicidade-

A depressão aumentou 28%, enquanto a ansiedade cresceu 26%. “Isso ressalta a necessidade urgente de fortalecer os sistemas de saúde”, disse o principal autor do estudo, Damian Santomauro. O especialista faz parte do Centro de Pesquisa em Saúde Mental de Queensland, na Austrália.

Leia também: “O fracasso do lockdown”, reportagem de Branca Nunes e Paula Leal publicada na Edição 45 da Revista Oeste

De acordo com Santomauro, os sistemas de saúde mental dos países já eram defasados antes do início da pandemia. “Havia poucos recursos, e os serviços não eram organizados”, criticou o pesquisador. “Responder a essa demanda extra será difícil, mas é impossível ignorá-la.”

População mais afetada

As mulheres foram mais afetadas do que os homens, e os mais jovens sofreram mais do que os idosos, segundo o estudo. “Infelizmente, por muitas razões, as mulheres foram mais afetadas pelas consequências sociais e econômicas desta pandemia”, afirmou Alize Ferrari, da Escola de Saúde Pública da Universidade de Queensland, uma das coautoras da pesquisa.

“O fechamento de escolas e outras restrições similares limitaram a capacidade dos jovens de aprender e interagir com seus colegas, o que, combinado com o aumento do risco de desemprego, teve impacto na saúde mental dos mais novos”, acrescentou Ferrari, ao explicar quais foram as populações mais afetadas com os efeitos da pandemia.

Leia mais: “Não existe lockdown grátis”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

6 comentários Ver comentários

  1. Esse é um efeito desastroso na população, isso sem falar no pânico gerado pela mídia e pela própria pandemia.
    Esse preço será cobrado no futuro e saberemos quais são os verdadeiros culpados.

    1. Esse artigo é desnecessário. Como foi o infame destratado sobre a HCC. Aliás, essa lancet passou de tradicional a desnecessária.

  2. Quem é genocida mesmo ? Esses governadores e prefeitos canalhas sairão ilesos. E mais, nos 600 mil mortos usados pela mídia pela mídia para desencadear narrativas mentirosas, deveria ser noticiado que sem fazer nada esse governo derrubou o número de mortes por doenças coronárias, por câncer, por tuberculoso e até por acidente. Aliás se o presidente não fosse um banana desajeitado, ele mesmo poderia contar isso. Mas como não é nada estratégico, se embanana e só dá munição para o inimigo.

    1. Pois é Fabio, só de doenças cardiovasculares, no Brasil morrem por ano 400.000 pessoas, não vejo imprensa, senadores, políticos de um modo em geral, esquerdalha, ninguém se escandalizando com tal fato, está pandemia vai passar, mas as mortes por vários motivos continuarão, os 400.000 por doenças cardiovasculares também, e aí?

  3. Impressionante como hoje em dia precisa de estudo até para provar que a água é molhada. Isso é tão óbvio, nem precisa de artigo científico nenhum, basta lidar com gente.

  4. A Lancet eh parte do problema, ajudando a encobrir a (ir) responsabilidade direta da China sobre a pandemia, publicando o manifesto do Dr. Peter Dazsack (financiandor do laboratório de Wuhan) e 26 virologistas escolhidos a dedo para atestar a origem natural do vírus.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.