Presidente da Coreia do Sul fala em acabar com o consumo de carne de cães

Aumenta no país número de pessoas que condenam a prática, cada vez mais limitada 
-Publicidade-
Cães destinados a restaurantes na Coreia do Sul (Foto: reprodução World Animal News)
Cães destinados a restaurantes na Coreia do Sul (Foto: reprodução World Animal News) | Cães destinados a restaurantes na Coréia do Sul (Foto: reprodução World Animal News)

“Não chegou o tempo de considerar com prudência a proibição do consumo de carne de cães?” A pergunta foi feita pelo presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in. O presidente segue a opinião pública do país. Segundo o jornal The Times, quase quatro em cada cinco sul-coreanos aprova a proibição. 

Leia também: EUA negam ter abandonado cães antiexplosivos no Afeganistão

Parte dessa tendência se deve ao fato de que, entre 2015 e 2020, o número de cães e gatos adotados como pets cresceu de 2,5 milhões para 6,3 milhões. Os sul-coreanos estão vendo os cães cada vez mais como uma companhia e menos como um prato. Além disso, estão cada vez menos tolerantes com a crueldade praticada contra os animais. Cães são criados em condições deploráveis em “fazendas” e torturados até a morte nos restaurantes para que suas carnes fiquem mais “macias”. O mesmo acontece na China.

-Publicidade-
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.