Presidente do Peru abandona o próprio partido

A legenda de esquerda passa agora a fazer parte da oposição
-Publicidade-
A saída aumenta o isolamento político de Pedro Castillo, que enfrenta denúncias de crimes de patrocínio ilegal e tráfico de influência
A saída aumenta o isolamento político de Pedro Castillo, que enfrenta denúncias de crimes de patrocínio ilegal e tráfico de influência | Foto: Reprodução/Twitter

O presidente do Peru, Pedro Castillo, deixou, na quinta-feira 30, o partido Peru Livre, com o qual venceu as eleições do ano passado. Ele foi acusado pelos líderes partidários de ter promovido uma dissidência interna e implementado um “programa neoliberal”. A legenda passa agora a fazer parte da oposição ao presidente.

Segundo o líder do partido, Vladimir Cerrón, o presidente peruano “não cumpriu com a ideologia” da legenda e, por isso, deveria deixar a sigla. “Foi pedida a saída do cidadão e militante Pedro Castilho não como presidente, mas como militante do partido.”

A saída aumenta o isolamento político de Castillo, que enfrenta denúncias de crimes de patrocínio ilegal e tráfico de influência. O Congresso investiga o presidente e deve recomendar uma acusação constitucional contra ele, o que pode acarretar um pedido de destituição do cargo, que ocupa há 11 meses.

-Publicidade-

Agora, o partido de esquerda fará parte da oposição ao governo. Cerrón afirmou ainda que o Peru Livre atuará como uma “oposição propositiva”, ao contrário da oposição promovida pelos demais partidos de direita que dominam o Congresso. “Não seremos uma bancada que estará se opondo por se opor”, disse.

Castillo apresentou ao Tribunal Eleitoral Nacional o pedido para sair do partido na quarta-feira 29. Segundo ele, a decisão se deve à sua “responsabilidade como presidente de 33 milhões de peruanos”.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

7 comentários Ver comentários

  1. Lula tem acenado com várias propostas de cunho esquerdista radical em 2022, tais como revisão de privatizações, descontrole de gastos públicos, aumento de impostos volta da CPMF, libertação de bandidos, apoio financeiro a Cuba e Venezuela, perseguição a membros da Operação Lava Jato e partidos de oposição (direita), banimento de jornais e emissoras de oposição e maior abertura da economia brasileira ao capital chinês, inclusive à colaboração militar;

    Em termos geopolíticos, Lula presidente afasta o Brasil dos EUA e nos aproxima da China e da Rússia, que têm interesse em colocar mais bases militares na América do Sul, Atlântico Sul e Pacífico;

    Lula não pode ser eleito e, caso seja eleito, deve-se providenciar alguma maneira de impedi-lo de assumir.

  2. Olha……deixar o peru livre talvez não seja uma boa idéia.

    Muitos já se perderam por deixar o peru livre.

    Caro Presidente do Peru, é melhor mudar para o peru preso.

    Fica a dica

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.