Protestos pelo preço do combustível derrubam governo do Cazaquistão

A polícia informou que mais de 200 pessoas foram detidas durante as manifestações no país
-Publicidade-
Manifestantes atacaram prédios públicos em Almaty, a maior cidade do Cazaquistão
Manifestantes atacaram prédios públicos em Almaty, a maior cidade do Cazaquistão | Foto: Reprodução/Redes sociais

O primeiro-ministro do Cazaquistão, Askar Mamin, renunciou nesta quarta-feira, 5, depois de protestos violentos insurgirem na cidade Almaty, capital econômica do país.

O presidente do país, Kassym Jomart Tokayev, aceitou a carta de renúncia. A informação foi dada pelo seu próprio gabinete.

O movimento que levou à queda de Mamin foi desencadeado por um aumento no preço do combustível, que abalou o país rico em petróleo da Ásia Central.

-Publicidade-

Manifestantes atacaram prédios públicos em Almaty. Uma transmissão em uma rede social feita por um blogueiro cazaque mostrava que até mesmo o prédio da prefeitura foi incendiado.

A polícia usou gás lacrimogêneo e bombas de efeito moral para expulsar centenas de manifestantes da praça principal de Almaty, e os confrontos duraram horas nas áreas próximas.

A polícia informou que mais de 200 pessoas foram detidas durante os protestos no país.

Tokayev declarou estado de emergência de 5 a 19 de janeiro em Almaty e na província produtora de petróleo de Mangystau.

Um toque de recolher também foi imposto nos dois territórios das 23 horas às 7 horas.

Anteriormente, o presidente cazaque tinha se dirigido à população em um vídeo publicado nas redes sociais para pedir “prudência” e “não ceder às provocações”.

O Cazaquistão é um grande exportador de petróleo e gás. Os protestos começaram por causa do aumento dos preços do gás liquefeito de petróleo. Ele é muito usado como combustível.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.