Senado norte-americano tenta votar projeto que libera o aborto

Votação ocorre depois de documento vazado da Suprema Corte norte-americana
-Publicidade-
Fachada do Capitólio, nos Estados Unidos, em Washington, onde funciona o Senado norte-americano | Foto: Reprodução/Wikipédia
Fachada do Capitólio, nos Estados Unidos, em Washington, onde funciona o Senado norte-americano | Foto: Reprodução/Wikipédia

O Senado dos Estados Unidos tenta votar nesta quarta-feira, 11, um projeto de lei que regulamenta o direito ao aborto no país. O projeto é analisado depois de um relatório preliminar do ministro Samuel Alito, da Suprema Corte norte-americana, indicar a reversão da jurisprudência que garante o direito ao aborto.

Em entrevista coletiva no domingo 8, o senador democrata Chuck Schumer, autor do projeto, afirmou que será possível ver como cada senador irá se posicionar durante a votação. O congressista disse ainda que os senadores do Partido Republicano “não poderão mais se esquivar”.

Nesta quarta-feira, ele apelou aos congressistas que aprovassem a proposta. “Pela primeira vez em 50 anos, a maioria conservadora — e extrema maioria — na Suprema Corte está prestes a declarar que as mulheres não têm liberdade sobre seus próprios corpos”, disse Schumer.

-Publicidade-

O projeto de Schumer substitui a maioria das legislações locais sobre o aborto nos Estados Unidos.

Obstrução

Por outro lado, uma votação encabeçada por um colega de Schumer obstruiu a matéria. “Eles estão tentando fazer as pessoas acreditarem que isso é a mesma coisa que codificar Roe vs Wade [a decisão conhecida como Roe x Wade, de 1973, garantiu proteções constitucionais ao aborto]”, disse o senador democrata Joe Manchin ao site Politico. “E eu quero que você saiba, não é. Este não é o mesmo. Expande o aborto”, acrescentou.

Ele conseguiu a assinatura de 47 senadores para impedir a abertura da discussão do projeto.

O líder da minoria no Senado, o republicano Mitch McConnell, criticou a legislação na manhã de quarta-feira, chamando-a de “extrema” e acusando os democratas de ordenar “uma votação fracassada que só provará seu próprio extremismo”.

“Nossos colegas democratas querem votar pelo aborto sob demanda durante todos os nove meses, até o momento do nascimento do bebê”, disse McConnell, que acrescentou que o projeto “ignora a ciência moderna”.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. Como sempre, mais uma jogada suja dos comunas. Primeiro vazam documento do STF de lá sobre proibição do aborto no país todo (possivelmente um projeto engavetado e empoeirado) dias antes da votação deste projeto imundo pelo senado. Tudo pressão!
    Não passarão! É o modus operanti da esquerdalha…

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.