Somália tem primeira sessão de cinema em 30 anos

Evento ocorreu no no Teatro Nacional, em Mogadíscio, que havia sido fechado em 1991, no início da guerra civil no país
-Publicidade-
Somália realizou primeira sessão de cinema desde o início da guerra civil
Somália realizou primeira sessão de cinema desde o início da guerra civil | Foto: Reprodução/Redes Sociais

A Somália teve uma noite histórica na quarta-feira 22. Pela primeira vez em 30 anos, a população teve a oportunidade de assistir a uma sessão de cinema.

O evento ocorreu no Teatro Nacional, na capital Mogadíscio. O local foi fechado em 1991, quando teve início a guerra civil no país (ainda em andamento). Ao longo dos últimos anos, o teatro foi alvo de uma série de ataques de homens-bomba e usado como base pelos militares.

Leia mais: “Josias Teófilo: ‘Chegou a hora deste governo dar o devido valor à cultura’”

-Publicidade-

Na primeira sessão em mais de três décadas, foram exibidos dois curtas-metragens do diretor somali IBrahim CM.

“Esta é uma noite histórica para o povo somali: mostra como as esperanças foram reavivadas depois de tantos anos de desafios. Esta é uma plataforma que oferece uma oportunidade para compositores, contadores de histórias, diretores de cinema e atores somalis apresentarem seus talentos abertamente”, disse à agência France-Presse o diretor de teatro Abdikadir Abdi Yusuf.

Entrevista: “Josias Teófilo: ‘Não precisa ser de direita para tentar entender por que Bolsonaro foi eleito’”

As pessoas que acompanharam a sessão pagaram ingresso no valor de US$ 10 — quantia elevada para a esmagadora maioria da população pobre do país. Todos tiveram de passar por vários pontos de controle até chegar ao espaço localizado na “zona verde”, fortemente protegida por policiais e militares, onde também ficam o palácio presidencial e o Parlamento.

Leia mais: “‘Farsa patética’, diz Mario Frias sobre declaração de Doria a respeito da reabertura do Museu do Ipiranga”

Mogadíscio já teve, além do Teatro Nacional, dezenas de salas de cinema — praticamente todas foram destruídas ou desativadas durante a guerra. O teatro foi construído em 1967.

O prédio ficou em ruínas, mas chegou a ser reaberto em 2012, por meio de recursos da Missão da União Africana na Somália (Amisom). Duas semanas depois, no entanto, foi alvo de um ataque com bombas promovido pelo grupo terrorista Al Shabaab, composto por extremistas islâmicos ligados à Al Qaeda.

Leia também: “‘Na cultura, conservadorismo não tem espaço’”, entrevista de Josias Teófilo publicada na Edição 55 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.