Taiwan afirma que OMS atua de forma política

Organização Mundial da Saúde não gosta de contrariar a ditadura chinesa.
-Publicidade-
Vista noturna de Taipei, a capital de Taiwan |
Foto: Heeheemalu/Wikimedia
Vista noturna de Taipei, a capital de Taiwan | Foto: Heeheemalu/Wikimedia

País asiático diz que a Organização Mundial da Saúde ignora o auxílio taiwanês para o tratamento do coronavírus por pressão da China

Vista noturna de Taipei, a capital de Taiwan
Vista noturna de Taipei, a capital de Taiwan
Foto: Heeheemalu/Wikimedia

O ministro das Relações Exteriores de Taiwan, Hsu Szu-chien, acusou a Organização Mundial da Saúde (OMS) de não compartilhar os dados sobre o coronavírus repassados pelo país ao órgão, incluindo detalhes sobre os seus casos e métodos de prevenção.

-Publicidade-

Taiwan não é membro nem da ONU e nem da OMS por pressão da China, que considera a ilha de pouco mais de 23 milhões de habitantes como uma província rebelde.

Ao contrário da China — uma ditadura comandada pelo Partido Comunista — Taiwan é uma democracia vibrante, com economia de mercado, multipartidarismo e liberdade de opinião e de imprensa.

Em pronunciamento, o governo taiwanês afirmou que ao ignorar o país durante a pandemia do coronavírus, a OMS está fazendo jogo político com a vida de milhões de pessoas e que a ilha merecia elogios pelos seus rápidos métodos de detecção e o baixo número de casos. Na última semana, Taiwan afirmou que a organização liderada por Tedros Adhanom se recusou a repassar informações ao país no início da pandemia.

Em uma raro posicionamento, no último domingo a OMS declarou que sempre acompanhou o desenrolar da pandemia em Taiwan e que aprendeu com os métodos de prevenção e que está trabalhando em conjunto com especialista de saúde taiwaneses.

Como resposta, a porta-voz do ministro da Relações Exteriores, Joanne Ou, afirmou que a OMS: “precisa rever as restrições inaceitáveis impostas a Taiwan por pressão política”.

De acordo com a Agência Reuters, Taiwan foi excluída de 70% dos encontros técnicos da OMS na última década, incluindo um evento para discutir o coronavírus em fevereiro, onde os representantes taiwaneses foram proibidos de participar. “Isso mostra que quando a OMS afirma que está aprendendo com todas as regiões para compartilhar as ‘melhores práticas’, não condiz com a realidade”, disse Joanne.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.